Lição 02 - A Conquista da Terra Prometida



Texto Áureo"Passai pelo meio do arraial e ordenai ao povo, dizendo: Provede-vos de comida, porque, dentro de três dias, passareis este Jordão, para que tomeis posse da terra que vos dá o Senhor, vosso Deus, para que a possuais" - Josué 1.11

Texto em Bíblico Básico: Josué 1.1-9


RESUMINDO O LIVRO

Escritor: Provavelmente Josué

Esfera de Ação: 1405 a.C. - 1375 d.C.

Jesus no livro: O capitão da nossa salvação. Há um simbolismo forte no fato de ter sido Josué a conduzir o povo à Terra Prometida. Moisés, simboliza a Lei, e Josué representa a graça. Josué e Jesus são nomes que tem o mesmo significado (Jeová é a Salvação); Josué é um tipo de Cristo. Isso quer dizer que não é a lei quem nos conduzirá à Canaã Celestial, e sim Jesus, mediante seu sacrifício.

Deus queria que os descendentes de Israel soubessem como seu deu a posse da Terra Prometida. Por isso inspirou o  escritor de Josué a continuar a história de onde Moisés parara. Depois de perambular quarenta anos pelo deserto, os israelitas estavam prontos para entrar na Terra Prometida. No livro de Josué, veremos como eles venceram o inimigo e ocuparam a terra que Deus lhes dera por herança. 
 Vemos o nome de Josué ligado ao famoso incidente da espionagem da terra, em Números 13 e 14. Moisés selecionou doze espias (um de cada tribo), para fazer o reconhecimento da Terra Prometida como prelúdio da conquista. Calebe e Josué eram representantes de suas respectivas tribos (13.6,8). Após quarenta dias de inspeção secreta, os batedores voltaram. Todos concordaram que a terra era rica (13.23,24). No entanto, dez dos espias disseram que a terra não podia ser conquistada porque as cidades eram fortificadas a algumas das pessoas eram gigantes (28.29). Calebe e Josué se opuseram dizendo quase literalmente que a vitória seria como um "pedaço de bolo". No hebraico, Números 14.9 diz literalmente "... como um pedaço de pão os podemos devorar" Israel rejeitou o posicionamento de Josué e Calebe tomando o partido da maioria. Em consequência, passou quarenta anos (um ano para cada dia de reconhecimento da terra) até que todos morreram, com exceção de Josué e Calebe. Os homens que Deus utiliza sempre estiveram contra a corrente. A lição foi bastante clara para Josué: a maioria nem sempre está com a razão. Precisamos ter isto em mente nestes dias em que a verdade é determinada por consenso; em que a justiça é feita por um voto de cinco a quatro; em que o que "todos fazem" torna-se razão universal para  o comportamento. Eles ficaram sós em um situação comum entre os grandes líderes. Mas a qualidade proeminente da liderança em sua posição solitária é uma grande fé. Eles simplesmente creram. Não havia porque compartilhar do "complexo de gafanhoto" dos outros espias. Grandes líderes espirituais tem uma fé que se eleva acima de seus contemporâneos. A cartilha de suas vidas é: "pela fé, pela fé, pela fé". Disciplinas do Homem Cristão, CPAD, págs 183 e 184.


A CONQUISTA DE JERICÓ







Jericó era uma cidade importante situada no vale do Jordão (Dt 34.1-3), no lado ocidental, perto do Mar Morto e ao sopé das montanhas que dão acesso à planície de Judá. Era conhecida pelo nome de Cidade das Palmeiras (Jz 3.13). Era uma cidade bem fortificada e dominava o vale do Jordão e as passagens para as montanhas do oeste, portanto sua conquista se tornava essencial ao avanço dos israelitas para conquistar Canaã.

Na época de Josué, as grandes cidades eram cercadas por uma grande e resistente muralha de pedras que a protegia dos inimigos. Na verdade, a muralha constituía-se de dois muros, com um espaço entre si. A parte exterior tinha dois metros de espessura, e a interior, quatro. Entre ambas as partes havia um espaço de quatro a cinco metros, as duas tinham cerca de dez metros de altura. As muralhas eram interligadas no alto por casas construídas no sentido transversal. 

O príncipe do exército do Senhor apareceu a Josué e lhe deu orientação sobre a  primeira batalha da conquista (5.13-15; 6.1-5). Nas instruções que Deus deu a Josué, vemos a importância da graça de Deus e da obediência fiel dos homens. Deus disse: "Entreguei na tua mão Jericó (6.2). Ao mesmo tempo ele deu instruções aos homens de Israel e disse: "Assim fareis" (6.3-5). Ele falou para: (1) Os israelitas rodearem a cidade uma vez por dia durante seis dias; (2) Eles rodearem a cidade sete vezes no sétimo dia; (3) os sacerdotes tocarem suas trombetas; (4) o povo gritar; (5) subir e tomar a cidade quando o muro caísse. Os israelitas obedeceram. Entre outras coisas, Deus falou para evitar coisas condenadas (6.18-19).

Curiosidades: 
(1) Ao conquistar e incendiar Jericó, Josué pronunciou uma maldição: "Maldito seja  homem que se levantar e reedificar esta cidade de Jericó! Perdendo seu primogênito a fundará, e sobre seu filho mais novo lhe porá as portas" (Js 6.26). Essa maldição caiu sobre Hiel, quinhentos anos mais tarde. Ele perdeu seu primogênito quando reconstruiu Jericó, e o seu caçula, quando colocou-lhes as portas (I Rs 16.34). (2) Foi ali fundada uma escola de profetas, sendo visitada por Elias e Eliseu (II Rs 2.4 a 18). (3) No tempo de Cristo, Jericó era a segunda cidade da Judéia. Foi ali que Jesus curou o cego Bartimeu, e que Zaqueu recebeu a visita do Salvador. (4) Em certo tempo, Jericó fazia parte da propriedade de Cleópatra, que lhe tinha sido dada por Antônio, sendo depois arrendada por Herodes, o grande, que ali construiu muitos palácios e edifícios públicos. Foi, finalmente destruída pelos romanos cerca do ano 230 d.C.  

 A DERROTA EM AI

Como da vez anterior, Josué enviou espias para para examinar a cidade de Ai. O resultado da averiguação mostrou facilidades para os hebreus (Js 7.1,3). Iria ser muito fácil - foi a conclusão dos espias - Não precisariam ir todos, apenas dois ou três mil homens seriam suficientes. Israel estava confiante de que iria vencer, entretanto fracassou!

A cidade de Ai poderia ter sido tomada no primeiro ataque, mas por causa do pecado de Acã, os israelitas fugiram derrotados diante do inimigo. Deus ordenara a destruição total de Jericó, e que nada pegassem de lá, mas Acã desobedeceu e pegou alguns objetos valiosos (Js  7). Por causa do seu pecado, toda a nação sofreu. Acã conhecia a ordem de Deus, mas desobedeceu. Com  a conquista de Jericó, os israelitas entraram na parte central de Canaã. Esta tomada foi estratégica, pois abriu uma brecha entre as regiões norte e sul, impedindo que se unissem para um contra-ataque. Os israelitas precisavam atingir agora o lado ocidental de Canaã. Para tanto, tinham que conquistar a cidade de Ai. Somente depois que o pecado foi confessado, e o culpado punido, é que Deus ajudou a conquistá-la.


A batalha de Jericó foi uma dramática demonstração da intervenção divina e, por isso todo o despojo   -a prata, o ouro, o bonze e o ferro -  pertenciam a Deus e deviam ser guardados para ele (Js 6.24). Ninguém deveria confiscar para si mesmo qualquer objeto dessa primeira vitória. Mas Acã não resistiu aos brilhos dos tesouros e escondeu alguns debaixo da sua tenda. Depois e uma rápida e intensa investigação da parte de  Josué, Acã foi acusado . Ele não era só culpado por desobedecer os mandamentos de Deus, mas sua desobediência também causou a morte dos homens  na batalha que se seguiu. O resultado é que Acã e toda a sua família foram mortos, todos os pertences deles foram queimados, e Acã foi sepultado debaixo de um montão de pedras. A lição aqui é brutalmente clara. Quem pensa que seu pecado não deixará consequências para toda a sua família e para a comunidade, precisa ler a história de Acã. Mas a boa notícia é que, através do poder do Espírito Santo de Deus, podemos podemos poupar a nossa família e nós mesmos de sofrimentos desnecessários. A Bíblia da Mamãe - Ed. Sociedade Bíblica do Brasil
GUERRAS E CONQUISTAS


Para obter a terra que "mana e mel", os hebreus teriam que vencer sete nações cananéias e não seria uma tarefa fácil (Js 24.11). As sete nações ali alojadas eram formadas pelos descendentes de Cão, filho de Noé; por isso são chamados de cananeus, e a terra chamada de Canaã. São eles: cananeus, heveus, heteus, ferezeus, girgazeus, amorreus e jebuzeus (Js 24.10).

Talvez cause estranheza o fato de Deus ter mandado exterminar e destruir cidades inteiras, matando inclusive crianças e idosos. Ao fazer isso, Josué estava sendo usado por Deus para trazer juízo e remover toda e qualquer má influência, pois se lhes fossem permitido viver, com certeza, induziriam o povo israelita à adoração a ídolos e outras práticas condenadas por Deus. Esses povos conquistados eram perversos. Agiam com selvageria e ofereciam seus próprios filhos em sacrifícios.

Quanto ao fato de o "sol e a lua haverem parado" (Js 10.10-14),  para que o dia se prolongasse e Josué vencesse uma peleja, sabemos hoje que é a Terra que gira em torno do sol, fato que os povos antigos desconheciam. De qualquer forma, pela fé, cremos que literalmente a Terra parou de girar por algumas horas para que o servo de Deus pudesse vencer. Conta-se que isso foi comprovado por Totten, um professor da Universidade de Yale, que após complicados cálculos, demonstrou que já houve, um dia na história da Terra, que durou mais que 24 horas.

A DIVISÃO DAS TERRAS

Os capítulos 13 a 21 contam como a terra foi dividida entre as várias famílias de Israel. As terras foram repartidas por sorte, mas a tribo de Levi não entrou no sorteio (18.6-10). Os levitas tinham sido separados para servir a Deus como sacerdotes. Não podiam gastar seu tempo e sua vida cuidando de terras. Mas  nao  ficariam sem nada. Eles foram distribuídos entre as demais tribos para lhes ensinar as coisas de Deus. Dentro das terras de cada tribo haviam cidades especialmente destinadas aos levitas, para que vivessem confortavelmente com suas famílias (21.10-3), e os sacerdotes eram sustentados pela oferta do povo.


Você Sabia?  Quando a Terra Prometida estava sendo dividida entre os homens de Israel, cinco mulheres foram falar com os líderes e pediram para elas a terra que lhes era por direito ao seu pai, Zelofeade, que não teve filhos homens (Js 17.3-6).

REFLEXÃO - FÉ FIRME E DURADOURA

Você se lembra de Calebe? A primeira vez que o encontramos é Êxodo 13 quando ele e Josué apresentaram a Moisés um relatório cheio de esperança sobre as possibilidades de conquistar a Terra Prometida. Naquela época, ele era um homem forte, de meia-idade. Agora, quarenta e cinco anos depois, Calebe continuava o mesmo. Aos oitenta e cinco anos, ele tinha no mesmo entusiasmo e estava pronto para enfrentar os desafios que só podia imaginar quando mais novo. Está claro que a fonte de confiança Calebe nos anos passados ainda era a mesma nos anos finais de sua vida. Mesmo sendo um homem de idade, ainda se agarrava às promessas de Deus e perseverava em seguir o seguia o Senhor. A vida dele estava ancorada na verdade. Será que ansiamos por uma vida de fé firme e duradoura e por um coração completamente devotado ao Senhor, a exemplo de Calebe? Nossa fé pode ser duradoura e mais bonita à medida que envelhecemos e cremos no Senhor completamente.

FONTES DE PESQUISA:
  • Revista "Adolescentes Vencedores" - Estudo Panorâmico dos Livros Históricos- Ed. CPAD 
  • Bíblia de Estudo Pentecostal

IMAGENS

  • Google




Comentários

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 03 - Os Dois Ícones da Igreja Primitiva

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta