Galera de Cristo 10 - O Preço da Soberba

"O orgulho vem antes da destruição, o espírito altivo, antes da queda. Melhor é ter espírito humilde dentre os oprimidos do que partilhar despojos com os orgulhosos" - Provérbios 16.18,19

Hora da Verdade: II Crônicas 26.8,16,21


PAPO SÉRIO


A soberba precede a ruína 
.
Uzias é chamado de Azarias no Livro de Reis. Cogita-se que Uzias fosse seu nome de entronização e Azarias o nome pessoal. Reinou por 52 anos em Judá, a partir dos 16 anos, entre 791 a 740 a.C.
.
O nome Uzias significa “O Senhor é a minha força”, enquanto Azarias significa “A quem o Senhor ajudou”.

Ele foi um rei notavelmente bem-sucedido em Jerusalém, guerreiro e administrador competente, hábil em organizar e delegar. Teve êxito na guerra e na paz, no planejamento e na execução de seus projetos em terra e mar; em edificar cidades e desenvolver a agricultura e pecuária. Suas realizações lhe trouxeram a grande fama, pois chegou a expandir as terras de seu reinado a ponto dela ser igualada ao tamanho geográfico do tempo em que Salomão reinava. Teve vitórias sobre as nações ao seu derredor, contando com a ajuda do ministério do profeta Zacarias e um exército altamente treinado e fiel portando equipamento bélico de ponta para a sua época.
.
Depois da morte de Zacarias, demonstrou fraqueza ao dar lugar ao pecado do orgulho, superestimou sua importância ao considerar as grandes conquistas que obteve. Vendo todas as coisas que empreendeu e que deram certo, presunçoso, aos poucos deixou a soberba dominar seu coração e lhe cegar. Ao acumular os atributos do rei e dos sacerdotes ao mesmo tempo, que era proibido aos hebreus, Deus o castigou com lepra, doença contagiosa da pele. Como rei, segundo a Lei de Moisés não poderia adentrar no Templo e queimar incenso no altar de incenso, que ficava no Lugar Santo (Êxodo 30.1-8; Números 3.10).
.
Falhou feio, pois Deus não lhe havia designado a função do sacerdócio. Além disso, deixou de remover muitos dos símbolos de idolatria na terra. (2 º Reis 15.4).
.
Parte do orgulho de Uzias também veio da sua falta de gratidão. Os cronistas dos Livros de Reis, capítulo 15.1-7, e Livros de Crônicas, 26.1-23, não fizeram nenhum relato de que ele tenha mostrado algum apreço a Deus pelas maravilhosas dádivas que recebeu. Ele não reconheceu que seu sucesso proveio do favor de Deus, que lhe deu saúde e tino certo para governar, e através das pessoas que estavam em sua volta e o ajudaram (2 Crônicas 26.5, 8, 11-13).


Descobertas arqueológicas têm comprovado a prosperidade de Judá sobre o reinado de Uzias. Torres e cisternas têm sido achadas em diversas escavações nas regiões de Qumran, Gileade e Berseba. Um sinete com o nome de Uzias foi achado numa cisterna de Tell Beit Mirsim.
Uma inscrição do rei Tiglate-Pileser III, rei da Assíria (747-727 a.C.) que atacou o reino do Norte e o levou ao cativeiro, Israel, provavelmente o cita quatro vezes: Azarias, Uzias, o judeu.
Uma pedra tumular de Uzias foi descoberta no museu Arqueológico Russo do Monte das Oliveiras, pelo Dr E.L. Sukenik, da Universidade Hebraica de Jerusalém. Possui a seguinte incrição em caracteres aramaicos: "Para aqui vieram os ossos de Uzias , rei de Judá - não abram". Uzias foi sepultado na cidade de Davi, mas ao que parece o túmulo foi esvaziado e os restos mortais do rei foram levados para outro lugar.
Mesmo na morte e no sepultamento o rei Uzias permaneceu isolado. Em vida ele conheceu períodos de grande glória, mas por não dar crédito a Deus por suas vitórias, e com soberba profanar o Templo, passou ao ostracismo total e irreversível, se tornando leproso e morando em local isolado até morrer. Em geral, o corpo do rei era depositado no sepulcro real como última homenagem, mas ele ao ser enterrado não recebeu a honra de ser sepultado junto aos outros reis de Israel.

Isaías começou seu ministério no ano da morte de Uzias (Isaías 1.1).

Aprendendo com os erros de Uzias


.
Nossas conquistas não podem ser comparadas com a grandeza das realizações de Uzias, mas mesmo assim precisamos creditar ao Senhor todas os sucessos que conquistamos. Se o sucesso, as riquezas, as influências e o poder fazem parte das nossas vidas, sejamos gratos. Deus espera de nós a adoração, a honra e a obediência.
.
Após o profeta Zacarias falecer, Uzias não buscou a Deus como deveria, e do ciclo de bênçãos passou a viver o período de castigo por seu descaso com as coisas santas na Casa do Senhor.
.
Ele desprezou a autoridade sacerdotal e não reconheceu outras lideranças proféticas que estavam disponíveis. Era contemporâneo dos profetas Isaías, Amós e Oséias.
.Com os altos e baixos da vida de Uzias, aprendemos que precisamos respeitar o ministério que Deus designa a outros. Não nos esqueçamos que por mais importantes que venhamos a ser na sociedade, sempre haverão certas atividades que o Senhor confiou a outros e não a nós. Não podemos ultrapassar limites, não podemos desdenhar dos planos divinos para nossos semelhantes. Deus julgou Uzias, acometendo-o de lepra, por ele ter usurpado prerrogativas que cabiam só aos sacerdotes (confira: Êxodo 30.1-10).
.Deus ajudou Uzias a vencer três grandes inimigos. Ele derrotou filisteus, arábios e menunitas. Deus é também conosco e temos condições para vencer a carne, o mundo e o diabo. Depende única e exclusivamente de nós mesmos viver essa tripla vitória.

.A lição sobre prosperidade na vida de Uzias

.Buscar a Deus é garantia de prosperidade? Desprezar a Deus significa cair em miséria? Sim e não, se só definimos prosperidade como aquisição de riquezas, de prestígio e poder.
.
O autor de Crônicas deixa claro que não devemos concentrar-nos apenas em buscar o sucesso, mas sim em buscar a conhecer a Deus e o que Ele deseja de nós. A fidelidade ao Senhor não garante que Ele nos fará prosperar com riquezas, apesar dEle nos abençoar com essas dádivas também, como vimos no exemplo de Uzias. O que Deus garante é que, sempre que o buscarmos, desfrutaremos da prosperidade de encontrá-la na perspectiva do amor e da paz e da razão da nossa esperança..

Durante o reinado de Uzias, os profetas Isaías, Amós e Oséias  fizeram pronunciamentos (Is 1.1; 6.1; 7.1; Os 1.1; Amós 1.1). A preocupação deles com a riqueza e o orgulho é evidente em todas as profecias feitas naquele período. O rápido declínio de Judá nos últimos anos do reinado de Uzias era parte do juízo de Deus, que vem sobre o orgulhoso que o ignora. O Senhor enviou também um terremoto como parte do juízo sobre a nação. O tremor de terra foi tão grande, que Amós o usou como referência para indicar uma data particular e o profeta Zacarias, tempos mais tarde, o mencionou para ilustrar o que Deus faria no final para julgar  a terra (Am 1.; Zc 14.5).

"No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi também ao Senhor assentado sobre um alto e sublime trono; e a cauda do seu manto enchia o templo" - Isaías 6.1. No Antigo Oriente, a morte de um monarca, muitas vezes, representava uma crise política séria, que envolvia a sucessão de trono. A morte do rei Uzias por ser marcante serviu de referência para anunciar quando o ministério profético de Isaías teve início, que seria em 740/739 a.C, e terminou durante a campanha de Senaqueribe, por volta de 701/868 a.C. Segundo as informações das páginas bíblicas, Isaías e Uzias não possuíram parentesco, apenas viveram na mesma geração.  

FONTE DE PESQUISA:

Livro: Quem é Quem na Bíblia Sagrada - Ed. Vida

http://belverede.blogspot.com.br


IMAGENS ILUSTRATIVAS:

Google



.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 03 - Os Dois Ícones da Igreja Primitiva

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta