Lição 04 - A Genuína Felicidade

Texto Áureo: "Falou-lhes pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a Luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida" 
João 8.12

Texto Bíblico Básico: Mateus 6.22,23; Hebreus 3.10-15; Hebreus 12.1,2



PASSOS PARA O ACÚMULO DE PROBLEMAS

Assumir a vida do outro. Conheço um casal que aceitou ser fiador de um parente próximo que precisava alugar um apartamento. Apesar da resistência inicial do esposo, a esposa insistiu e ambos fecharam negócio. Terminaram por assumir um problema que não era deles. O parente não teve como arcar com o aluguel do apartamento, e o casal teve que assumir a dívida e se desdobrar para não perder o único bem que tinham - um imóvel que demoraram anos para conquistar. Com muito custo se livraram de uma situação que durante muito tempo lhes tirou o sono e a paz.

Problemas e crises são inerentes ao ser humano enquanto este viver aqui na terra. Mesmo o mais fiel servo do Senhor passará por aflições em determinados momentos de sua vida. Entretanto, há problemas que as pessoas mesmo procuram: uma dívida assumida que sabe-se não ter como pagar,  envolver-se em situações que não são de sua competência, fechar um negócio sem a orientação de Deus, emprestar  o nome, dentre outras situações. O Salmo 91 nos garante: "Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos. Eles te sustentarão nas suas mãos, para que não tropeces com o teu pé em pedra" (vv. 11,12). Não se trata somente de proteção física, mas a garantia de que aquele que confia na orientação do Senhor ficará livre de maiores problemas que lhe faça perder a paz.

Ser ambicioso e amar ao dinheiro. Não há nada errado em buscar o melhor emprego, o melhor cargo em uma empresa, um salário melhor, e melhores condições de vida para cada um de nós. A própria Bíblia nos recomenda a aprender com a formiga o valor do trabalho diligente. Mas devemos levar em consideração antes de tudo, que estamos aqui só de passagem, tudo aqui é corruptível; nossos olhos devem estar voltados para cima, e nossa maior prioridade não deve ser a de ajuntar tesouros aqui na terra, "onde o ladrão rouba, e a traça corrói", e sim no céu, onde viveremos por toda a eternidade. 

Nosso relacionamento com o dinheiro e bens materiais deve ser pautado no principio de que: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude" (Sl 25.1). Ou seja, tudo que há no mundo pertence a Deus; somos mordomos - e não donos - dos nossos bens; não levaremos nada daqui, e um dia prestaremos contas do uso que fizemos deles. Estamos apenas administrando durante o tempo que estivermos aqui, aquilo que o Senhor nos confiou. Nossa confiança deve estar firmada em Deus e não no dinheiro. Vale citar o exemplo de Jó, mesmo após ter perdido tudo, inclusive sua saúde e até mesmo sua dignidade, permaneceu fiel a Deus, porque o seu coração não estava apegado às riquezas.
A REALIDADE DE UM SOFREDOR
O sofredor e o pessimismo.“E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” Romanos 8:28. Existem crentes pessimistas que já se auto-decretam derrotados! Então automaticamente eles serão derrotados! O crente otimista deve acordar e dizer: “Esse é o dia que o Senhor fez, eu nasci para vencer, sou mais do que Vencedor em Cristo Jesus!”. Devemos já desde cedo decretar a nossa vitória, e tomar posse da nossa benção! O Vencedor é sempre um otimista! Jesus disse: Tende bom ânimo, Eu venci! O crente pessimista só olha para as desvantagens, o crente otimista tira da desvantagem, dez vantagens! O crente pessimista de qualquer coisa ele murmura, o crente otimista sabe que o louvor que toca o coração de Deus nasce na dor. O crente pessimista quando quebra o carro diz que é o diabo, o crente otimista diz que é porque Deus quer que ele evangelize o mecânico! Então devemos adorar a Deus em qualquer situação!

O sofredor e a incredulidade. Há uma diferença clara entre incredulidade e dúvida. A incredulidade é uma recusa deliberada a crer. Nasce do desejo de rejeitar o que é verdadeiro sobre Deus por motivo de conveniência. É olhar para Deus, não se agradar do que se vê e recusar-se a confiar. Há volição na incredulidade. Parece quase impossível que uma coisa como essa aconteça. O que levaria uma pessoa a sufocar a verdade que dá sentido à própria existência? Porém, a Bíblia ensina com clareza que há algo como a incredulidade. Os incrédulos tomaram conhecimento da verdade e não se agradaram dela. Nem todo o que crê em Deus ama o que sabe ser verdadeiro. Os demônios crêem e tremem. Sua fé só serve para aterrorizá-los. Uma coisa é saber que Deus existe. Outra coisa é amar a Deus.  Levar uma pessoa a crença na existência de Deus e veracidade do cristianismo não é suficiente. Todo o ser humano carece de uma obra do Espírito Santo no coração, por meio da qual o homem é levado a amar o que passou a saber ser verdadeiro sobre Deus. 

O sofredor e o pecado. Muitos podem pensar que, uma vez que uma pessoa se torna crente, ela nunca mais luta contra o pecado, nem peca. O pecado que o crente tem é ligado a ele por ele viver no mundo (I Jo. 2.16) e ter o pecado ainda nos seus membros (Rm. 7.23). Se não houvesse a possibilidade do crente ser influenciado pelo pecado, Davi não teria orado: “Expurga-me tu dos que me são ocultos.” (Sl. 19.12; 119.133) e nem teria dito: “O meu pecado está sempre diante de mim” (Sl. 51.3). Jesus também não teria orado ao Pai que “os livres do mal” (Jo. 17.15). Paulo travava uma luta constante contra o seu pecado o que o fez lamentar: “Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” (Rm. 7.24).  É fato bíblico que o crente peca (Pv. 20.9; 24.16; Ec. 7.20), pois, ele é enfraquecido pela carne (Jo. 3.6, “O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.”). Tanto a realidade da presença do pecado na vida do crente quanto à nova natureza são vistas claramente na doutrina da santificação que envolve a correção de Deus (Hb. 12.5-13). Se não houvesse pecado na vida do crente, nunca haveria a correção. Quem está salvo tem uma nova natureza feita por Deus em Cristo que luta contra o pecado (Gl. 5.17; “e estes opõem-se um ao outro”; Rm. 7.23; “que batalha contra a lei do meu entendimento”. Antes de ser Cristão, o salvo não tinha forças nenhuma para dominar o pecado (Rm. 8.8). Em Cristo, o Cristão tem o que é necessário para dominar o pecado (Mt. 26.41; Fp. 4.13; I Jo. 4.4).

ALCANCE A FELICIDADE



A nossa felicidade hoje tem que se basear na esperança e não nas circunstâncias. As “bem-aventuranças” de Jesus nos falam sobre a felicidade baseada na esperança (Mt 5:1-12). Não podemos deixar que os sofrimentos e dificuldades que enfrentamos nesta vida tirem esta felicidade, pois ela está muito acima destas coisas.
A carta aos romanos, 8:18, nos exorta dizendo que os sofrimentos do tempo presente não têm comparação alguma com a glória futura. Deus nos exorta a estarmos vivendo diariamente este versículo de fé. A verdadeira fé é o meio para estarmos gozando da felicidade em Jesus Cristo em qualquer situação, e não apenas um recurso para modificarmos as circunstâncias e termos mais conforto físico, financeiro, emocional, etc.
O cristão pode ser feliz e também passar por momentos de sofrimento. O sofrimento não é falta de fé. Mais do que nos oferecer alívio no meio do sofrimento, Jesus nos oferece esperança. A felicidade que Deus nos oferece não é para que a vivamos apenas nas circunstâncias agradáveis, a Sua felicidade ultrapassa todo o nosso entendimento.
FONTES DE PESQUISA

http://www.palavraprudente.com.br/


IMAGENS ILUSTRATIVAS

Google

Comentários

  1. Parabéns pelo comentário da lição 4!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Nosso objetivo é ajudar sempre cada uma crescer na graça e no conhecimento!!

      Excluir
  2. Muito edificante o texto referente à lição 4! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou! Nosso objetivo é sempre ajudar os irmãos a darem uma aula de qualidade! Deus abençõe!

      Excluir

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 08 - Culpa, a Prisão da Mente

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta