Lição 03 - O Homem, Obra Prima de Deus

"Fazes com que ele tenha domínio sobre as obras das tuas mãos; tudo puseste debaixo dos seus pés". Salmo 8.6

Texto Bíblico Básico: Salmo 8.1-9; Gênesis 1.26-28




A ORIGEM DO HOMEM

Me tornei mãe pela segunda vez há quatro meses atrás. Durante toda a gestação, parto e quando amamento meu filho, me pego pensando na criação do ser humano. Como pode uma pessoa se formar e crescer no ventre de outra? Ossos, cabelos, unhas... personalidade, alma! Como pode a mãe ter dentro de si o alimento mais completo e saudável que existe para oferecer ao seu bebê? Alimento que possui vacina natural, mata a sede, alimenta, fortalece e faz crescer? A criação do homem é grandiosa demais para ser entendida em sua plenitude. Assim como toda a criação. Dias atrás, meu filho de seis anos perguntou: "Mãe, porque a terra gira e a gente não cai?" Parei para pensar e simplesmente respondi: "Porque Deus é perfeito em tudo o que faz, e pensou nisso também quando criou o universo como uma engrenagem; as leis da física que regem a sua criação são tão perfeitas a ponto de a terra girar e a gente não sentir..." Enfim, não há como não pensar na grandeza de Deus quando se observa a complexidade da natureza, o tamanho do universo, quando se sente uma criança mexendo no ventre... não há como acreditar que a criação seja fruto do acaso, de evolução ou de qualquer outra teoria contrária ao que a Bíblia nos mostra. A criação manifesta o quão inteligente e grandioso é o nosso Deus (Sl 19.1), e pela fé, acreditamos que tudo o que existe foi feito pelo poder criador de Sua Palavra (Hb 11.3); e que o homem, diferente de toda a criação, Ele projetou e criou pessoalmente, com Suas próprias mãos. E o melhor: colocou nele uma partícula divina!

"Entreteceste-me no ventre da minha mãe". Deus rege de modo criador e ativo o desenvolvimento da vida humana. Ele pessoalmente zela pela criancinha desde o momento da sua concepção. Sua atenção por um feto compreende um plano para a sua vida. Por esta razão, Deus tem o aborto de um nascituro como homicídio (Êxodo 21.22,23). Fonte: Biblia de Estudo Pentecostal, Salmo 139.13, nota.

Vamos começar por entender que Deus é nosso Criador e que nós somos parte da Sua criação (Gn 1:1; Sl 24:1). Deus disse que o homem é criado à Sua imagem. O homem está acima do resto da criação e recebeu domínio sobre ela (Gn 1:26-28). A criação se deteriorou pela 'queda', mas ainda assim nos dá um flash, uma rápida idéia da obra de Deus (Gn 3:17-18; Rm 1:19-20). Considerando a vastidão, complexidade, beleza e ordem da criação, nós podemos ter uma idéia da grandiosidade e magnificência de Deus.

Têm surgido as mais variadas teorias acerca da origem do homem. De um modo geral, elas não conseguem anular a ligação do ser humano com a Terra. Entretanto, a única fonte realmente autorizada, acerca da origem da humanidade, é a Bíblia Sagrada. Os dois primeiros capítulos de Gênesis nos oferecem, de modo plausível e coerente, a verdadeira história das origens, inclusive a o homem.

RELATO BÍBLICO ACERCA DA CRIAÇÃO DO HOMEM

O primeiro relato da criação do homem encontra-se em Gênesis 1.26,27.neste texto, está declarada a ordem criativa da Trindade, quando diz: "Façamos o homem". A despeito da importância teológica que se dá ao "façamos", para denotar a participação triúnica da Deidade, o fundamental nesta passagem, é a palavra "BARAH" (hebraico), do versículo 27, que quer dizer "criou". Deus o fez do pó da terra, mas a sua criação foi um ato divino. Ele foi feito especial e diferente da vida vegetal, aquática e animal.

O segundo relato da criação do homem encontra-se em Gn 2.4-8. Neste relato histórico, temos, além da criação do homem, a descrição da origem da mulher. Enquanto a primeira narração se preocupou em mostrar a ordem da criação e a decisão da Corte Divina em criar o homem à sua imagem e semelhança, o segundo relato apresenta a sua efetivação. No texto de Gênesis 2.7 temos a seguinte declaração: "E formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra, e soprou em seus narizes o fôlego de vida e o homem foi feito alma vivente". No segundo relato da criação podemos destacar, no texto de Gênsis 2.18-25 a formação da mulher. Depois de Deus ter criado Adão, Ele também fez Eva. Em Gênesis 1.27, está escrito: "macho e fêmea os criou".

TEORIAS ANTIBÍBLICAS SOBRE A ORIGEM DO HOMEM

1. A Teoria Evolucionista. Essa teoria apresenta o homem como um ser que evoluiu de uma ordem inferior, no mundo animal. Ensina que a evolução resultou de sucessivas alterações nas formas materiais, devido às forças latentes que existem na matéria. Mas a Bíblia refuta esta teoria, quando declara que: (1) a origem do homem resultou de uma ato criativo de Deus; (2) o ser físico do homem também é resultado de um ato  criativo de Deus, que utilizou matéria já existente "afar" (hebraico), que significa "pó da terra"; (3) o homem hoje, tem a mesma estrutura física e espiritual do dia em que foi criado; (4) o homem foi tirado da terra e está destinado a ela, depois da morte (Ec 3.20); (5) o homem não é evolução natural da terra, pois ele foi plasmado (criado, formado, modelado).


A evolução é o ponto de vista predominante proposto pela comunidade científica e educacional do mundo atual, em que se tratando da origem da vida e do universo. Quem crê, de fato, na Bíblia, deve atentar para estas quatro observações a respeito da evolução: (1) A evolução é uma tentativa naturalista para explicar a origem e o desenvolvimento do universo. Tal intento começa com a pressuposição de que não existe nenhum Criador pessoal e divino que criou e formou o mundo; pelo contrário, tudo veio a existir mediante a uma série de acontecimentos que decorreram por acaso, ao longo de bilhões de anos. Os postulantes da evolução alegam possuir dados científicos que apóiam a sua hipótese. (2) O ensino evolucionista não é realmente científico. Segundo o método científico, toda conclusão deve basear-se em evidências incontestáveis, oriundas de experiências que podem ser reproduzidas em qualquer laboratório. No entanto, nenhuma experiência foi idealizada, nem poderá sê-lo, para testar e comprovar teorias em torno da origem da matéria a partir de um hipotético "grande estrondo", ou do desenvolvimento gradual dos seres vivos, a partir das formas mais simples às mais complexas. Por conseguinte, a evolução é uma hipótese sem evidências científicas, e somente quem crê em teorias humanas é que pode aceitá-la. A fé do povo de Deus, pelo contrário, firma-se no Senhor e na sua revelação inspirada, a qual declara que Ele é quem criou do nada todas as coisas (Hb 11.3). (3) É inegável que alterações e melhoramentos ocorrem em várias espécies de seres viventes. Por exemplo: algumas variedades dentro de várias espécies estão se extinguindo; por outro lado, ocasionalmente, vemos novas raças surgindo dentre algumas espécies. Não há, porém  nenhuma evidência, nem sequer registro geológico a apoiar a teoria de que um tipo de ser vivente já evoluiu doutro tipo. Pelo contrário, as evidências existentes apoiam a declaração da Bíblia, que Deus criou cada criatura vivente "conforme a sua espécie" (1.21,24,25). (4) Os crentes na Bíblia devem, também, rejeitar a teoria chamada evolução teísta. Essa teoria aceita a maioria das conclusões da evolução naturalista: apenas acrescenta que Deus deu início ao processo evolutivo. Essa teoria nega a revelação bíblica que atribui a Deus um papel ativo em todos os aspectos da criação. 

2. A teoria filosófico - materialista. Sigmund Freud, que lançou esta teoria, era ateu, filósofo e psicanalista. Ele enfatizou, em seus argumentos, a ideia de que o homem, em sua vida biológica, tem  como base a formação de sua personalidade e seus instintos naturais. Afirmou que coisas como sexo, fome, sede, segurança e prazer, são pressões que determinam as ações e o padrões da personalidade do homem. No conceito de Freud, a natureza do homem não se relaciona com o sobrenatural, no caso, Deus. Para ele, a ideia do Criador com o ser humano é imprópria ou inexistente, pois o mesmo vê o homem como uma criatura egocêntrica, voltada apenas para as suas necessidades, sem qualquer comunhão com um ser supremo. Acreditava ele que, ao morrer o homem, nada mais resta.

3. A Teoria do humanismo científico. As fontes de informações, para os adeptos desta teoria, sobre a natureza e origem do homem, estão na Biologia, Psicologia e Medicina. Para esta escola de pensamento, o homem é um produto evolucionário da natureza, sem a menor possibilidade de imortalidade.

O QUE A BÍBLIA ENSINA SOBRE A NATUREZA DO HOMEM


1. A Biforme natureza do homem. O homem foi criado com uma biforme natureza: material e imaterial. A primeira foi formada do pó da terra (Gn 2.7), e segunda outorgada diretamente pelo criador. O sopro divino nas narinas do homem concedeu-lhe a vida física e a espiritual. A vida imaterial do homem é representada pela alma e pelo espírito. Porém esta dupla natureza do homem é representada por uma tricotomia, que se constitui, na parte material, pelo corpo; na imaterial, pela alma e pelo espirito (I Ts 5.23).

2. A tricotomia do homem (I Ts 5.23; Hb 4.12). O termo tricotomia significa "aquilo que é dividido em três", ou "que se divide em três tomos". Em relação ao homem, refere-se às três partes do seu ser: corpo, alma e espírito. Há divergência neste ponto daqueles que entendem o homem como apenas dicótomo, ou seja que se divide em duas partes: corpo, alma ou espirito. Os defensores da dicotomia do homem unem alma e espírito como uma só parte e, às vezes como se fossem uma só coisa. Entretanto, parece-nos mais aceitável o ponto de vista da tricotomia. Este conceito crê que o homem é uma triunidade composta e inseparável. Só a morte física é capaz de separar o corpo de sua parte imaterial. (a) O corpo. É a parte inferior do homem que se constitui de elementos químicos da terra como oxigênio, carbono, enxofre, hidrogênio, nitrogênio, cálcio, fósforo, potássio, sódio, cloro, iodo, ferro, cobre, zinco, entre outros elementos em proporções menores. Porém o corpo, com todos esses produtos, sem a bênção, é de ínfimo valor. (b)  A alma. É preciso saber que o corpo sem a alma é inerte. Ela precisa dele para expressar a sua vidas funcional e racional. É identificada no hebraico do Antigo Testamento, por "Nephesh" e, no grego, do Novo Testamento por "Psiquê". (c)  O espírito. No hebraico é "ruach" e no grego "pneuma". O espírito do homem  não é um simples fôlego ou sopro, mas também vida imortal (Ec 12.7; Dn 12.2; Lc 20.37; I Co 15.53). Ele é o princípio ativo da nossa vida espiritual. religiosa e imortal. É o elemento de comunicação entre Deus e o homem. Certo autor cristão escreveu que "o corpo, a alma e o espirito constituem base real dos três elementos do homem: Consciência do mundo externo, consciência própria.

AS FACULDADES DISTINTAS DO HOMEM

1. As faculdades do corpo. São cinco as faculdade principais, as quais se manifestam através do corpo: visão, audição, olfato, paladar e tato. Ainda que sejam distintas uma das outras, elas não atuam independentes do comando da alma. São denominadas de instintos naturais ou corporais, os quais recebem impressões do mundo exterior, transmitidas ao cérebro através do sistema nervoso. É daí que partem as ordens para todas as partes do corpo. Os sentidos físicos obedecem às leis naturais que estão impressas no ser humano. São elas que regem as atividades do corpo.

2. As faculdades da alma. São três as faculdades ou qualidades da alma, pelas quais ela se manifesta: intelecto, sentimento e vontade. (a) O Intelecto (Gn 1.28; 2.19,20) é a parte da alma que pensa, raciocina, decide, julga e conhece. E ele quem recebe os conhecimentos. Três outras manifestações lhes são peculiares: a imaginação, memória e razão. Com a primeira, o homem é capacitado a idealizar e projetar. É um processo do pensamento que habilita o ser humano a construir imagens, através do raciocínio. A segunda é outro atributo do intelecto que capacita o homem a guardar em seu cérebro os fatos passados e presentes. Ela retém os conhecimentos adquiridos e os traz à lembrança. A terceira é um atributo do intelecto que leva o homem a pensar, julgar, e compreender as relações entre as coisas distinguir entre o verdadeiro e o falso, entre o bem e o mal. (b) A vontade. Se expressa como resultante das influências do intelecto e dos sentimentos. Ela não age sozinha. Não há vontade livre e independente. Ele obedece ás forças emotivas e intelectuais da alma. (c) O sentimento. Faz do homem um ser emotivo. Ele não é uma máquina insensível, pois pode sentir todas as grande emoções, com alegria, gozo, paz, prazer, tristeza, descontentamento, pesar e dor.

3. As faculdades do espírito. Duas faculdade principais de destacam com abrangência sobre outras qualidades importantes, as quais são: fé e Consciência. Elas identificam o ser religioso do homem. Podemos chamar de natureza espiritual, da qual o ser humano é dotado especialmente para uma perfeita comunhão com Deus. Os sentidos físicos e psicológicos tornam o homem um ser terreno e racional, mas os espirituais o tornam um ser especial. (a) a faculdade da fé. É uma qualidade do espirito humano que expressa a religiosidade do homem e o torna capaz de adorar, reverenciar, louvar e orar a Deus, o Criador. Não se trata de um tipo de fé, adquirida ou ensinada, mas é uma forma que nasce com qualquer ser humano. Ela nos estimula a buscar a Deus e ter comunhão com ele. (b) a faculdade da consciência. É a lei moral e espiritual, no interior do homem, que aprova ou desaprova suas ações. É a intuição que o espirito tem dos atos e estados do ser humano em sua vida cotidiana. A consciência não está sujeita à vontade, e nem aos sentimentos da alma. 

O HOMEM FOI CRIADO COMO MINISTRO DE DEUS NA TERRA

O homem foi criado à imagem de Deus. O propósito do Eterno era que o homem tivesse comunhão com ele e fosse Seu ministro na terra. Deus criou o homem porque desejava derramar-se em alguém. O homem tornou-se alma vivente, revestido da perfeição e justiça de Deus, pois o Espírito, a vida e o poder de Deus foram soprados para o interior do ser humano. O homem não foi criado para estar em conflito com Deus ou com suas criaturas, e sim, para viver em união e harmonia com todos. O Eterno abriu-se a uma comunhão  completa com o homem a fim de que esse pudesse governar e reinar com Ele na terra como  autêntico representante Seu aqui. O homem foi investido de autoridade, domínio e amor divinos para ser ministro desde o dia em que foi criado até a eternidade. Estava destinado a ser rei e sacerdote, um ministro de Deus desde o princípio. No entanto, por um ato de vontade própria, o homem rompeu sua comunhão com Deus quando lhe desobedeceu, caindo na armadilha mortal de Satanás (Gn 3). Ao pecar, o homem se rebelou conscientemente contra Deus e contra seu plano original. Deus então concebeu um novo plano: "Se pela transgressão de um só a morte reinou por meio dele, muito mais aqueles que recebem de Deus a imensa provisão da graça e a dádiva da justiça reinarão em vida por meio de um único homem, Jesus Cristo. Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também, por meio da obediência de um único homem, muitos serão feitos justos" (Rm 5.17,19).

Pelo pecado, Adão trouxe a morte ao mundo, mas pela morte e ressurreição do último Adão, Jesus Cristo, o homem teve seu relacionamento e a sua comunhão com Deus restaurados. E, agora por meio de Jesus, pode usufruir das bênçãos que tinha antes de pecar, inclusive o dom das imortalidade.

Por intermédio de Jesus Cristo, somos feitos à imagem de Deus, aperfeiçoados e habilitados a ser seus ministros e sacerdotes. Por meio de Jesus Cristo, recebemos a mesma autoridade e a mesma unção que foram outorgadas ao primeiro homem, e estamos capacitados e enfrentar Satanás e suas forças demoníacas. Temos o poder do primeiro Adão para defender-nos contra as tentações e ataques de Satanás.

Como filhos do Deus Altíssimo, devemos assumir nossa posição, usando a autoridade delegada por Cristo para nos tornar seus ministros, resgatando assim o propósito original da criação do homem.


SAIBA MAIS 

http://www.rudecruz.com/estudos-biblicos/antigo-testamento/genesis/a-criacao-do-homem-adao-no-jardim-do-eden.php

http://www.fatospoliticos.com.br/2013/12/cientistas-apontam-que-origem-da-vida-pode-estar-barro/



FONTES DE PESQUISA

Artigo: http://www.militarcristao.com.br
Bíblia de Estudo Pentecostal - Ed. CPAD, Salmo 139.13, nota e Estudo "A Criação", pg 31
Bíblia de Estudo - Batalha Espiritual e Vitória Financeira - Ed. Central Gospel, pg, 05, nota.

IMAGENS ILUSTRATIVAS

Google

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 03 - Os Dois Ícones da Igreja Primitiva

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta