Lição 07 - Reconciliação, Justificação e Regeneração



Texto Áureo: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" - João 3.16


Texto Bíblico Básico: II Coríntios 5.18-20; Romanos 5.1,2,8,9; I Pedro 1.3





RECONCILIAÇÃO

Imagine dois amigos que têm uma briga ou argumento. O bom relacionamento que eles tinham agora está tenso ao ponto de chegar bem perto de um rompimento. Eles pararam de falar um com o outro; comunicação está muito estranha. Os amigos gradualmente se tornam como estranhos um ao outro. Essa separação só pode ser revertida por reconciliação. Reconciliar é restaurar a amizade ou harmonia. Quando velhos amigos resolvem suas diferenças e restauram seu relacionamento, reconciliação ocorreu. 2 Coríntios 5:18-19 declara: “Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação.” 

A Bíblia diz que Cristo nos reconciliou com Deus (Rm 5:10; 2 Co 5:18; Cl 1:20-21). O fato de que precisávamos de reconciliação significa que nosso relacionamento com Deus estava quebrado. Já que Deus é santo, a culpa era toda nossa. Nosso pecado nos separou de Deus. Romanos 5:10 diz que éramos inimigos de Deus: “Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.”

Quando Cristo morreu na cruz, Ele satisfez o julgamento de Deus e tornou possível que os inimigos de Deus fizessem as pazes com Ele. Nossa “reconciliação” com Deus, então, envolve o exercício de Sua graça e o perdão de nosso pecado. O resultado do sacrifício de Jesus é que o nosso relacionamento mudou de inimizade para amizade. “Já não vos chamo servos.... mas tenho-vos chamado amigos” (Jo 15:15). Reconciliação Cristã é uma verdade gloriosa! Éramos inimigos de Deus, mas agora somos Seus amigos. Estvamos em um estado de condenação por causa de nossos pecados, mas agora somos perdoados. Estávamos em uma situação de guerra com Deus, mas agora temos paz que ultrapassa todo o entendimento (Fp 4:7). “Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5:1).


JUSTIFICAÇÃO

"O qual pelos nossos pecados foi entregue e ressuscitou para a nossa justificação". Romanos 4.25

Justificação é o ato judicial pelo qual Deus decreta a absolvição do pecador e declara-o justo. Justificação vai além do perdão. Deus passa a tratar com o homem justificado como se ele nunca tivesse pecado. Na verdade, a doutrina da justificação é um pilar fundamental na obra redentora de Cristo e no cristianismo bíblico. É do trono da Graça que emana a bondade de Deus em redimir, perdoar, anular o passado pecaminoso do crente e torná-lo justo.

Se Deus justificasse somente o justo e não o pecador arrependido também,  então a Graça já não era Graça, e na verdade não teria graça nenhuma. Assim sendo, a justificação significa que apesar do passado pecaminoso do crente e suas imperfeições no presente, o crente goza de completa e segura posição para com Deus. "Justificado", é o veredito divino e ninguém pode contradizer. A Palavra diz: "Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica" (Rm 8.33).

Os seres humanos podem perdoar alguém, mas nunca declará-lo justo. O presidente da república pode dar um indulto a alguém, mas nunca declará-lo justo, pois só Deus pode fazer isso. É fácil entender que a fonte da justificação é a graça de Deus: "Sendo justificados, gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus" (Rm 3.24). O efeito da justificação é a paz com Deus: "Sendo, pois justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo". (Rm 5.1).

O instrumento divino para a justificação do pecador é o sangue de Jesus Cristo: "Ao qual Deus propôs para a propiciação pela fé no Seu sangue, para demonstrar Sua justiça..." (Rm 3.25); e o meio da justificação é a fé na provisão de Deus. Sem a expressa manifestação da maravilhosa graça de Deus seria impossível a qualquer pecador alcançar os méritos da justificação divina. Paulo declarou que pelas obras da Lei, nenhuma carne seria justificada diante de Deus.

A justificação não é um experiência propriamente dita; é uma declaração legal de justiça divina, que só é possível mediante um relacionamento íntimo com Jesus Cristo. Fora de Cristo, não pode haver justificação e nem outra qualquer experiência a nível de salvação (At 4.12). Com o ato sublime da justificação, Deus anula todo o nosso passado, oferecendo-nos um novo presente e garantindo-nos um futuro glorioso.

REGENERAÇÃO

Regeneração é o ato divino pelo qual a criatura humana experimenta uma radical mudança no seu ser. Trata-se de uma experiência íntima e profunda em conjunto com o arrependimento e o novo nascimento.

Regeneração quer dizer: Tornar a ser gerado, alcançar nova vida, reconstrução, restauração, renovação. É uma palavra oriunda do grego "polingenesia", que literalmente significa: O retorno das coisa ao seu primitivo estado. Faz nos lembrar da pureza com que Deus criou Adão, que antes da queda vivia em plena comunhão com Deus. Nas Escrituras, entretanto, a regeneração refere-se ao novo nascimento e a conversão do pecador a Deus, que o liberta de todos os seus pecados; e o transforma radicalmente.

A melhor descrição para a palavra regeneração está na palavra "lavagem" encontrada em Tito 3.5: "Não pelas obras da justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo". A regeneração é um milagre operado pelo Espírito Santo no interior do ser humano.

A Bíblia descreve o pecador como sendo "imundo" (Is 64.6); desobediente (Rm 2.8); "doente" (Is 1.5,6). Para ser curado e liberto de tantas impurezas, carece o pecador de uma profunda limpeza espiritual "Para o santificar, purificando-a com a lavagem da água pela palavra" (Ef 5.26). A lavagem espiritual que Deus aplica ao pecador é de caráter total, pois o pecado atingiu a totalidade do ser humano, a lavagem também atinge o homem em todo o seu ser: espírito, alma e corpo. Esta operação espiritual feita no ser humano cura-o, liberta-o, e limpa-o de todas as mazelas do pecado com todos os seus maus costumes e lhe dá vitórias sobre o pecado.

O resultado da regeneração é uma nova vida em Cristo concedida pelo Espírito Santo, que molda este novo crente e faz dele um novo homem; "Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade" (Ef 4.22,23). Essa nova vida refere-se ao fato de que o homem que estava espiritualmente morto, agora está vivificado no seu espirito e pode ter plena comunhão com Deus. Ele também passa a ter uma nova natureza. Isso refere-se ao fato de que 0 homem passa a ter uma nova atitude para com o pecado e a santidade.

FONTES DE PESQUISA

Comentários

  1. A Paz de Cristo
    Maravilhoso comentario Daniele, parabens!
    Eu tambem sou apaixonada por lecionar a Palavra de Deus, principalmente quando temos que ensinar sobre seu amor, Deus é estupendamente maravilhoso!!! Leandra

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 03 - Os Dois Ícones da Igreja Primitiva

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta