Lição 05 - Aliança Mosaica



"Amarás, pois ao Senhor teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento . E o segundo, semelhante a este é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo". Marcos 12.30,31

Texto Bíblico Básico: Êxodo 20.1,3,4,5,7,8,12-17,20



A ALIANÇA MOSAICA

As partes envolvidas neste aliança são Deus e Israel. esta aliança foi feita com o povo de Israel e não meramente com Moisés atuando como representante da nação. Isto é claramente apresentado em Êxodo 19.3-8. A aliança não foi feita com os gentios ou a Igreja, mas somente com Israel, o que é destacado também em Dt 4.7,8.

Cláusulas:

A cláusula fundamental na Aliança Mosaica era a Lei de Moisés, marcada e selada pela glória de Deus em Êxodo 24. 1-11, e que continha um total de 613 mandamentos. Ou seja, há 613 cláusulas na aliança, o que é muito para relacionarmos aqui. Em vez disso, faremos sete observações com respeito às cláusulas da Aliança Moisaica.

1. A Totalidade da Lei. Como foi dito, havia um total de 613 mandamentos, e não apenas dez, um mal entendido muito comum; destes 365 eram mandamentos negativos  (coisas que eram proibidas), e os outros 248 eram positivas (coisas que deveriam ser feitas).

2. Bênçãos e Maldições. Esta era uma aliança condicional, o que significava que haveria bênçãos pela obediência e maldição pela desobediência (Êx 15.26).

3. O Sacrifício de Sangue. O elemento -chave em toda a lei era o sacrifício de sangue, apresentado em Levítico 17.11. Havia cinco ofertas diferentes detalhadas em Levítico 1-7. A palavra hebraica para expiação não significa a remoção do pecado, mas uma mera cobertura. Embora o sangue de animais cobrisse os pecados no Antigo Testamento, nunca foi capaz de removê-los. Somente o sangue de Cristo é capaz de remover pecados (Hb 10.1-12).Contudo, o sacrifício de sangue provia o perdão dos pecados e a restauração da comunhão.

4. Restrições na dieta. Para os judeus, esta dieta restringia a alimentação definida na Aliança Noética. Os animais permitidos seriam os de cascos fendidos e divididos em duas unhas e que ruminavam; os peixes deveriam ter barbatanas e escamas; quanto às aves, nenhuma ave de rapina seria permitida, e quanto à insetos, apenas um tipo de inseto seria permitida (Lv 11). 

5. Pena Capital Ampliada. Além de assassinato,  pena de morte deveria ser aplicada também a outros pecados como idolatria, adultério, amaldiçoar a Deus, amaldiçoar os pais, violar o sábado, praticar feitiçaria entre outros.

6. A Circuncisão. A prática da circuncisão foi reafirmada (Lv 12.3), mas não pelas mesmas razões. Sob a aliança Abraâmica, a circuncisão era o sinal da aliança e era obrigatória somente para os judeus. Sob a aliança mosaica, a circuncisão indicava submissão à Lei de Moisés e era obrigatória a todos os judeus e a todos os gentios que quisessem se tornar parte da Comunidade de Israel. É por isso que Paulo advertiu aos gálatas cristãos que, se eles se submetessem à circuncisão, estariam obrigados a guardar toda a Lei, e não apenas um único mandamento (Gl 5.3).

7. O Sinal da Aliança. O Sinal da Aliança Mosaica era o Sábado. Portanto, era um sinal entre Deus e Israel - um sinal de que Israel havia sido separado por Deus (Êx 31,12-17). Era um sinal do Êxodo (Dt 5.12-15), e também o sinal de que Jeová era o Deus de Israel (Ez 20.20). A guarda do sábado indicava que o povo estava sendo fiel à aliança com Deus. Embora a ordenança do Sábado esteja associada ao sétimo dia da criação, é importante notar que ela não foi dada na criação; começou somente com Moisés (Gn2.1-3) declara apenas o que Deus fez naquele dia, mas não há nenhum mandamento para que o dia (chamado apenas de "sétimo dia"), seja guardado. De Adão a Moisés não há registro de qualquer pessoa guardando o sábado. Embora Deus tenha dado várias ordenanças para o homem nas alianças anteriores, guardar o sábado não era uma delas. Em hebraico, a palavra sábado é shabbat que significa "cessar" ou descansar". Era para ser um dia de descanso de todo o trabalho (êx 16.23-30; Êx 35.3); um dia para ser santificado (Êx 20.8); isto é, dedicado à renovação espiritual e adoração à Deus (Lv 23.3). Este era o propósito do sábado. Embora não fosse um dia de total inatividade, devia prover um refrigério do trabalho regular dos outros seis dias. O próprio descanso era um ato de adoração. A penalidade por profanar o sábado era apena de morte; profanar o sábado era considerá-lo como um dia qualquer.

PROPÓSITOS DA LEI

Deve ser dito categoricamente que e Lei de Moisés não era um meio de salvação. Isso faria com que a salvação fosse por obras. A salvação era, e será sempre pela graça, por meio da fé. Embora o conteúdo da fé tenha sido ampliado de uma época para outra de acordo com a revelação progressiva, o meio de salvação nunca mudou.  A lei não foi dada para servir como um meio de salvação (Rm 3.20,28; Gl 2.16,3.11,21). Foi dada a um povo que havia sido redimido do Egito e não para redimi-lo. Entretanto, havia vários propósitos para a Lei. Conforme vemos nos dois testamentos, há pelo menos nove propósitos para a Lei de Moisés que podem ser divididos em cinco aspectos: 


  • Em relação a Deus: Revelar a santidade de Deus e o padrão de justiça exigido para um correto relacionamento com Ele: Lv 11.44,45; 19.1,2,37; I Pe 1.15,16. A própria lei era pura, justa e boa (Rm 7.12).
  • Em relação a Israel: (1) Prover uma regra de conduta para os crentes dos Antigo Testamento (Lv 19.1, 2,37; 20.7,8,26). Para eles, a Lei era o centro de sua vida espiritual e seu deleite (Sl 119.70,72,77; 97,103,104, 159). (2) prover ocasião para adoração individual e coletiva do povo de Israel (Lv 23). (3) Fazer dos judeus um povo distinto (Êx 19.5-8; Lv 19.1,2,37; Dt 7.6; 14.2). Esta era a razão específica para muitas leis, tais como as que tratavam da dieta e das vestimentas. Os judeus deveriam ser distintos de todos os outros povos em diversos aspectos, tais como seus hábitos de adoração (Lv 1,7,16,23); hábitos alimentares (Lv 11); hábitos sexuais (Lv 12,15), hábitos de vestuário (Lv 19.19c); até no modo de cortar a barba (Lv 19.27).
  • Em relação dos gentios: De acordo com Efésios 2.11-16, a lei servia com uma parede de separação entre judeus e gentios. Deus fez quatro alianças incondicionais com o povo de Israel. Todas as bênçãos de Deus, materiais e espirituais, são mediadas por essas "quatro alianças da promessa". Deus também fez uma aliança condicional e temporária, a aliança mosaica, que continha a Lei de Moisés. A "lei dos mandamentos em forma de ordenanças". Paulo afirma que os gentios "eram separados da comunidade de Israel"  e "estranhos à aliança da promessa". Portanto, a única maneira pela qual os gentios podiam desfrutar as bênçãos espirituais das alianças judaicas durante o período da Lei, era tomando para si a obrigação de guardá-la, passar pela circuncisão, e viver como todo judeu deveria viver. Gentios, como tais, não podiam desfrutar as bênçãos espirituais dos judeus.
  • Em relação ao pecado. (1) O sexto propósito da lei mosaica era revelar o pecado. Três passagens de Romanos falam sobre isso. A primeira é Romanos 3.19,20, onde lemos que não há justificação pela lei. Por meio da lei ninguém será justificado. Para que serve a Lei se não é um meio de justificação ou salvação? A Lei foi dada para prover o conhecimento do pecado, para revelar exatamente o que é pecado. Em Romanos 5.20, Paulo afirma que e Lei foi dada para  que as transgressões  fossem ressaltadas. Como alguém pode saber que pecou? É porque a Lei detalhou o que era permitido e o que não era. A Lei com seus 613 mandamentos revelou o que é pecado. A terceira passagem é Romanos 7.7 . Paulo novamente enfatiza que a Lei foi dada para que o pecado se tornasse conhecido. Ele se tornou consciente de seu estado pecaminoso olhando para a Lei sabendo que, com base nela, estaria sempre em falta. (2) Além de definir o pecado, a Lei também revelou sua malignidade. Isto é explicado por Paulo em Romanos 5.20; 7.7-13; I Co 15.56. Basicamente, o que Paulo ensina é que a natureza do pecado usa a Lei como base de operação. Quando Paulo ensina em 4.15 que "onde não há lei também não há transgressão", ele não estava dizendo, é claro, que não havia pecado antes da Lei. O termo transgressão, é um tipo específico de pecado, é a violação de um mandamento específico. Os homens eram pecadores antes da Lei, mas não transgressores da lei até que ela veio. Depois que a Lei foi dada, a natureza do pecado tinha uma base de operação, fazendo o homem violar estes mandamentos e pecar ainda mais.
  •  Em relação ao pecador. (1) Mostrar  ao pecador que não havia nada que ele pudesse fazer por si mesmo para agradar a Deus, ele não tinha habilidade de guardar a Lei perfeitamente ou atingir o padrão da justiça da Lei (Rm 7.14-25). Certa vez, John Wesley disse: "Diante dela (a Lei), o pecador fica desnudo, todas as folhas de figueiras lhes são tiradas, e ele passa a se ver como realmente é: pobre e miserável; cego e nu. A Lei lança acusações de todos os lados.A pessoa que a ela e exposta, se sente um pobre pecador, nada mais tem a oferecer. Sua boca se cala e ele fica solitário e culpado diante de Deus" (2) Isto leva ao nono propósito que era julgar o homem à fé de acordo com Romanos 8.1-4; 10.4; Gálatas 3.25,25. O propósito fundamental da Lei  era levar o homem à fé salvadora em Jesus Cristo.
"Mas um dia senti meu pecado e vi, sobre mim a espada da Lei; apressado fugi, em Jesus me escondi e abrigo seguro Nele achei. Foi na cruz, foi na cruz, onde um dia eu vi, meu pecado castigado em Jesus, foi ali pela fé, que meus olhos abri, e agora me alegro em Sua cruz" - Hino 15 (Harpa Cristã)

Leia mais neste artigo sobre os sacrifícios exigidos pela Lei de Moisés!



FONTES DE PESQUISA

https://pt.scribd.com/doc/84159699/ALIANCAS-DE-DEUS-NA-BIBLIA

Comentários

  1. Perfeita a colocação da lei Mosaica como condicional, isso é essencial para diferencia-la das alianças incondicionais, que por sua vez, possuem relação direta com a escatologia. Muito bom, Deus continue te usando.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 08 - Culpa, a Prisão da Mente

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta