Lição 08 - A Nova Aliança em Cristo

"...(pois lei nenhuma coisa aperfeiçoou), e desta sorte é introduzida uma melhor esperança, pela qual chegamos a Deus" - Hebreus 7.19

Texto Bíblico Básico: Hebreus 8.6-13



ANTIGA ALIANÇA E NOVA ALIANÇA
O livro de Hebreus foi escrito para o povo judeu ou hebreu com objetivo de responder a algumas questões como: se depois de aceitar a Cristo a pessoa ainda deve obedecer a leis do Antigo Testamento como sacrificar animais para perdão de pecados, guardar sábado, circuncidar e outros rituais judaicos. A resposta do apóstolo para o povo hebreu é que Jesus já cumpriu tudo isso instituindo uma Nova e Eterna Aliança.

Deus havia feito Alianças com Noé (Gênesis 9.8-16), com Abraão (Gênesis 12.1-3), com Israel (Êxodo 19.5), com Davi (Salmos 89.3,4), com Salomão (II Crônicas 7.11-22) e muitos outros que renovaram esta Aliança como Josué (Josué 24.14-25), mas sempre o povo quebrava sua parte na Aliança com Deus. Estas antigas alianças eram sempre feitas de um lado por Deus que é eterno e perfeito e de outro por homens que são falhos e passageiros. Então foi preciso fazer uma Nova Aliança, mas que não pudesse jamais ser quebrada. Isso só foi possível através do próprio Deus se encarnando em forma humana na pessoa de Jesus Cristo. Deste modo a Aliança feita em Jesus é totalmente perfeita, eterna e não pode ser quebrada, pois não foi feita por um homem que tenha falhas ou pecados, mas com o puro e imaculado sangue de Jesus (Hebreus 9.14).
Quando João, no início de seu evangelho, diz: “A lei foi dada por meio de Moisés, mas a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo” (1.17), ele quis deixar bem clara a diferença entre os dois modos de se relacionar com Deus: antes de Cristo (a Velha Aliança) e depois da morte e ressurreição de Cristo (a Nova Aliança). Não se trata exatamente da diferença entre Velho e Novo Testamento na Bíblia, embora tenha alguma relação com ela. O ponto principal, que causa toda a diferença entre as duas alianças, é a morte de Jesus na cruz, e o que ela significa para nós e para Deus. Antes de Jesus morrer, Deus revelou sua lei para governar a vida humana até que viesse o Messias. Isso era necessário por causa do grave problema dos seres humanos: o pecado. Com a vinda do Messias e seu sacrifício pelos pecados da humanidade, a fé em Jesus assume o lugar da obediência à lei, e estão abertas todas as portas para um relacionamento direto e amoroso entre Deus e nós, como pai e filho(a). Resumidamente, as principais diferenças são:

Antiga Aliança:
1) O comportamento humano (obediência ou desobediência às leis de Deus) determina recebermos a bênção ou o castigo nesta vida, segundo a lei de Deus – Dt 28.
2) A motivação básica para a conduta humana é o temor a Deus (medo de errar, combate ao pecado) – cfe. Êxodo 20.18-20 (no episódio da entrega dos 10 Mandamentos). O que mais se ressalta é o dever, a obediência à Lei.
3) Garantia da aliança: sangue de animais, sinalizando que a morte produzida pelo pecado foi “compensada”, produzindo purificação provisória nos pecadores – Ex 24.4-8
4) Administração dos pecados: sacrifícios regulares e especiais de animais (Levíticos 1 a 7) e separação entre o ser humano e Deus, através de átrios e cortinas do templo, e do uso de sacerdotes e levitas como intermediários.
5) Modelo para vida: o servo (=escravo), que se esforça para agradar ao seu senhor em tudo o que faz, e se preocupa especialmente em não desagradá-lo, para não ser castigado.
Nova Aliança:
1) “O justo viverá da fé” (Rm 1.16), sem depender daquilo que consegue fazer (obras) – Romanos 1 a 5. Trata-se da fé especificamente em Jesus, na sua morte na cruz por nossos pecados.
2) A motivação básica: o amor recebido de Deus  Rom 5.8, I Jo 4 (“o amor lança fora o medo” – paradigma da substituição da velha aliança pela nova). “Nós amamos porque ele nos amou primeiro”. (I Jo 4.18,19)
3) Garantia da aliança: o sangue (a morte) de Cristo (Mt 26.28), conforme relembrado na Santa Ceia. A morte do Filho de Deus em lugar dos pecadores.
4) Administração dos pecados: pagos total e eternamente na cruz de Cristo, e esquecidos. Os pecados da humanidade foram a causa última da morte de Jesus, trazendo perdão e vida para os que acreditam, como foi tipificado pela cobra de bronze, durante a peregrinação pelo deserto (Jo 3.14,15). Deus agora é totalmente acessível (a cortina do templo se rasgou no instante da morte de Jesus), sem intermediários, tornando-se Pai de quem crê em Jesus. João 1.12; Col 2.13,14; I Jo 2.2; Hb 4.14-16
5) Modelo para vida: filho, e não mais escravo. (Gál 4.21-31). O sentimento é de amigo de Deus (Jo 15.15); Rom 8.15-17, sem aquele temor da velha aliança.
COMO É A NOVA ALIANÇA

Aliança Infalível: v.6,7 - Todas as outras alianças passadas foram quebradas pelos homens. Esta Nova aliança em Cristo jamais pode ser anulada, pois o seu sangue é puro e poderoso para purificar nossas vidas (Hebreus 9.14). Esta Nova Aliança substitui a antiga aliança. É uma Aliança Superior à antiga por que não foi feita por homens pecadores e sim por Deus encarnado em Jesus e seu sangue não tinha pecado. Também esta Nova Aliança tem promessas superiores à antiga, por isso a Nova substitui à antiga.

Aliança Imutável: v.8,9- Em todas as tentativas de Deus em fazer aliança com seu povo eles mudaram o acordo e falharam. Foi preciso fazer uma Nova Aliança que jamais pudesse ser mudada. Uma Aliança tão perfeita que não fosse capaz de se alterada mesmo que alguém pecasse. Por isso Jesus morreu para ressuscitar e para sempre ser o mediador da Nova Aliança que não é baseada em homens ou em sangue de animais (Hebreus 9.12) e sim unicamente em seu sacrifício por nós na cruz. Mesmo que o pecador abandone sua aliança com Deus, o Senhor continua fiel em seu acordo, embora a pessoa que deixa perca seus direitos nas promessas desta Aliança. Quando o pecador se arrepende de seus pecados, o Espírito Santo o convence e ele volta a fazer parte desta mesma Aliança (João 16.8-11).

 Aliança Invisível: v.10-12 - Todas as outras Alianças tinham sinais visíveis como o arco-íris para Noé, o cordeiro para Abraão, a Arca da Aliança para Israel, o Templo para Salomão e o trono para Davi, mas a Nova Aliança é invisível, pois é feita no coração de cada pessoa.
Jesus instituiu a Santa Ceia como sinal visível desta nova Aliança (Mateus 26.26-28), mas ao mesmo tempo em que vemos este memorial ao ingerirmos ele faz parte de nós e se torna invisível de novo. Esta Nova Aliança foi feita no interior de cada um de nós e só pode ser vista espiritualmente. Deus marcou sua Palavra em nossa mente e nosso coração para que ninguém pudesse entrar e arrancar de lá. Somente de forma voluntária Deus marca em nosso interior esta Nova Aliança e somente de forma voluntária o homem abandona este pacto eterno.

Hebreus 9.24-28. Todos os contratos ou pactos têm condições a ser cumpridas e prazos estipulados. Quando uma parte falha, deve então fazer uma rescisão e quando o contrato vence deve ser revalidado. A diferença deste contrato humano para a Nova Aliança com Deus é que esta jamais será anulada, nunca acabará ou ficará velha. Jesus, o autor e consumador da Nova Aliança operou tudo por nós sacrificando-se uma vez por todas para sempre.

** Recomendo a você, professor, leia o texto postado referente à lição dos adolescentes! Ela traz o exemplo da pedagogia de Jesus, o Mestre dos mestres! Com certeza, você poderá tirar lições importantes para desempenhar melhor seu ministério baseado no modo único como Jesus ensinava!! Deus o abençõe!

http://ebdbelasartes.blogspot.com.br/2016/05/galera-de-cristo-08-pedagogia-de-jesus.html

FONTES DE PESQUISA

http://www.cppc.org.br/velha-alianca-e-nova-alianca-por-karl-kepler/
http://www.esbocosermao.com/2011/03/nova-alianca-em-jesus.html

Comentários

  1. Conteúdo excelente! Aproveitando a oportunidade gostaria de saber se essa imagem da aliança e da coroa de espinhos é de sua autoria, e se for você me autorizaria a utiliza-lá? Que Deus te abençoe!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 08 - Culpa, a Prisão da Mente

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta