Lição 04 - O Crescimento do Islã no Mundo Ocidental

Texto Áureo: "O Estrangeiro não afligirás, nem o oprimirás; pois estrangeiros fostes na terra do Egito" - Êxodo 22.21

Texto Bíblico Básico: Gênesis 25.8-18

O Islamismo é um sistema religioso fundado no início do século 7 por um homem chamado Maomé. Os muçulmanos seguem os ensinamentos do Corão e tentam seguir os Cinco Pilares.


A História do Islamismo. No sétimo século, Maomé clamou ter recebido uma visita do anjo Gabriel. Durante essas visitas do anjo, as quais continuaram por cerca de 23 anos até a morte de Maomé, o anjo aparentemente revelou a Maomé as palavras de Alá (a palavra árabe usada pelos muçulmanos para “Deus”). Essas revelações ditadas formam o que hoje conhecemos de Corão ou Alcorão, o livro sagrado do Islamismo. Islã significa "submissão", derivando de uma raiz que significa "paz". A palavra muçulmano significa "aquele que se submete a Alá".

O islamismo é a segunda maior religião mundial, 1,6 bilhoes de adeptos em todo o mundo, perdendo apenas para o cristianismo, com 2,2 bilhões de adeptos.

A Doutrina do Islã. Os muçulmanos resumem a sua doutrina em seis artigos de fé:

1. Crença em um Deus: os muçulmanos acreditam que Alá seja o único, eterno, criador e soberano;

2. A crença nos anjos;

3. A crença nos profetas: os profetas são os profetas bíblicos, mas termina com Maomé como o último profeta de Alá;

4. A crença nas revelações de Deus: os muçulmanos aceitam certas partes da Bíblia, como a Torá e os Evangelhos. Eles acreditam que o Alcorão seja a perfeita a preexistente palavra de Deus.

5. Crença no último dia de julgamento e na vida futura: todos serão ressuscitados para julgamento no paraíso ou inferno.

6. Crença na predestinação: os muçulmanos acreditam que Alá decretou tudo o que vai acontecer. Os muçulmanos atestam a soberania de Deus com sua frase frequente, inshallah, ou seja, "se Deus quiser". 

Alcorão. "Alcorão" ou "Corão" é o livro sagrado do islamismo. Segundo a doutrina islâmica, o Alcorão é a coletânea de revelações de Alá ao profeta Maomé. Redigido em árabe entre 610 e 632, não é considerado um livro de inspiração terrena, mas as palavras exatas de Alá, reveladas pelo anjo Gabriel ao profeta Maomé. Os muçulmanos afirmam que, no Corão, Alá fala de Sua essência, de Sua relação com os seres humanos e de como serão responsabilizados perante Ele no Juízo Final.  


Os Cinco Pilares do Islã. Estes cinco princípios compõem o quadro de obediência para os muçulmanos:

1. O testemunho de fé (shahada): "la ilaha illa allah. Muhammad Rasul Allah." Isto significa: "Não há outra divindade senão Alá. Maomé é o mensageiro de Alá." Uma pessoa pode se converter ao Islamismo apenas por afirmar este credo. A shahada mostra que um muçulmano acredita apenas em Alá como divindade, o qual é revelado por Maomé.

2. As orações (salat): cinco orações precisam ser feitas todos os dias.

3. Pagar dádivas rituais (zakat): esta esmola é uma certa percentagem administrada uma vez por ano.

4. Jejum (sawm): os muçulmanos jejuam durante o Ramadã no nono mês do calendário islâmico. Eles não devem comer ou beber desde o amanhecer até o entardecer.

5. Peregrinação (hajj): se fisicamente e financeiramente possível, um muçulmano deve fazer a peregrinação a Meca, na Arábia Saudita, pelo menos uma vez. O hajj é realizado no décimo segundo mês do calendário islâmico.

A entrada de um muçulmano no paraíso depende da obediência a esses Cinco Pilares. Ainda assim, Deus pode rejeitá-los. Nem mesmo Maomé sabia ao certo se Alá iria admiti-lo ao paraíso (Surata 46:9; Hadith 5,266).

Uma Avaliação do Islamismo. Em relação ao Cristianismo, o Islamismo tem algumas semelhanças, mas também diferenças significantes. Assim como o Cristianismo, o Islamismo é monoteísta. No entanto, os muçulmanos rejeitam o conceito da Trindade – ou seja, que Deus se revelou como um em três pessoas distintas: Pai, Filho e Espírito Santo. O Islamismo clama que Jesus era apenas um profeta – não o filho de Deus. Os muçulmanos acreditam que Jesus, embora nascido de uma virgem, foi criado como Adão. Muitos muçulmanos não acreditam que Jesus morreu na cruz. Eles não entendem por que Alá permitiria que o Seu profeta Isa (a palavra islâmica para "Jesus") sofresse uma morte torturante. Contudo, a Bíblia mostra como a morte do Filho perfeito de Deus foi fundamental para pagar pelos pecados dos crentes (Isaías 53:5-6, João 3:16, 14:6, 1 Pedro 2:24). O Islamismo acredita que o Corão seja a autoridade final e a última revelação de Alá. A Bíblia, no entanto, foi finalizada no primeiro século com o livro de Apocalipse. O Senhor nos preveniu contra a adição ou subtração à Palavra de Deus (Deuteronômio 4:2; Provérbios 30:6, Gálatas 1:6-12, Apocalipse 22:18). O Corão, o qual clama ser uma adição à Palavra de Deus, desobedece diretamente o comando de Deus. Finalmente, o Islamismo ensina que se pode ganhar o paraíso através de boas obras e obediência aos Cinco Pilares. A Bíblia, pelo contrário, revela que o homem não pode se comparar com um Deus santo (Romanos 3:23; 6:23). Apenas por causa da misericórdia e amor de Deus os pecadores podem ser salvos através da fé em Cristo (Atos 20:21; Efésios 2:8-9). Devido a estas diferenças e contradições essenciais, o Islamismo e o Cristianismo não podem ser ambos verdadeiros. A Bíblia e o Alcorão não podem ambos ser a Palavra de Deus. A verdade tem consequências eternas. “Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. Nisto conhecereis o Espírito de Deus: Todo o espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já está no mundo. Filhinhos, sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo” (1 João 4:1-4; ver também João 3:35-36).

Islamismo, Cristianismo e Judaísmo. As raízes do Islamismo, assim como as do Cristianismo e do Judaísmo vêm do profeta Abraão, personagem bíblico citado no Livro do Gênesis como a nona geração de Sem, um dos filhos do patriarca Noé, que sobreviveu às águas do dilúvio. O profeta Maomé, fundador do Islamismo, seria descendente de Ismael, primeiro filho de Abraão. Moises e Jesus seriam descendentes de Isaac, filho mais novo de Abraão.

CURIOSIDADES DO ISLAMISMO

1. Todos os ensinamentos contidos no Alcorão têm força de lei.

2. Alá é o nome do Deus único do islamismo.
3. Alcorão que dizer o livro, assim como a palavra bíblia.
4. No Alcorão, Alá é identificado por 99 adjetivos. Três deles são "pacificador", "misericordioso" e "clemente".
5. Jesus Cristo é citado 25 vezes no alcorão. Ele aparece ora como filho de Maria ora como o messias Jesus, filho de Maria. Mas, para o islamismo, Jesus Cristo foi apenas um profeta.
6. Maria, mãe de Jesus, é a única mulher que o Alcorão chama pelo nome.
7. Segundo os muçulmanos, os ensinamentos de Jesus Cristo foram mal interpretados pelos cristãos
8. A religião foi criada pelo profeta Maomé, em Medina, na península Arábica. Filho de um guardião de Caaba, santuário dos muçulmanos, Maomé ficou órfão aos 8 anos e foi criado pelo tio Abu-Talib. Aos 25 anos casou-se com a rica viúva Khadija, 15 anos mais velha. Trabalhava como comerciante e venerava uma caverna do monte Hira, onde fazia suas orações. Foi lá que lhe apareceu o arcanjo Gabriel, que revelou a religião que Maomé deveria ensinar. No mesmo local, ele começou a proclamar os princípios básicos da religião que, muito tempo depois, transformaram-se no Alcorão, livro sagrado do islamismo.
9. Por volta de 616, Maomé já era chefe de um grupo fervoroso. Isso provocou a reação dos governantes de Meca, onde a religião oficial cultuava 360 deuses. No dia 16 de julho de 622, Maomé fugiu de Meca para Medina para não ser assassinado. A data passou a marcar a Hégira, início da era muçulmana. Seis anos mais tarde, ele retornou a Meca, destruiu os inúmeros ídolos da Caaba e transformou o antigo templo num santuário para seus fiéis.

Embora muitos estejam encontrando dificuldades com os temas abordados nas lições deste trimestre, devemos reconhecer que esses assuntos são de suma importância a serem abordados em nossa Escola Bíblica. E por serem temas atuais em nossa sociedade pós-moderna, aconselho você a acompanhar os noticiários diários, seja pela televisão, internet, rádio, revista, ou qualquer outro meio, para se manter informado e enriquecer com fatos reais e atuais a sua aula. Se possível, leve essas notícias para a sala de aula e encoraje seus alunos a fazerem o mesmo! 
O ESTADO ISLAMICO

Estado Islâmico é um grupo terrorista formado por jihadistas muçulmanos ultraconservadores, que são conhecidos por defenderem fundamentos radicais do islamismo.Também conhecido por ISIS (Islamic State of Iraq and ash-Shamou Daesh (transliteração do acrônimo árabe), o Estado Islâmico utiliza de táticas brutais contra todas as pessoas que não seguem a sharia (lei religiosa islâmica), como a crucificação, a decapitação e outros atos que provocam a indignação e o medo em todo o mundo. O Estado Islâmico (EI) acredita em uma variante extremista do islão, seguindo literalmente todos os ensinamentos descritos no Alcorão, livro sagrado da fé islã que foi supostamente escrito pelo profeta Maomé. Este grupo terrorista é chamado de Estado Islâmico porque os seus membros constituíram um califado, ou seja, uma espécie de “governo” que é dirigido por um representante religioso e político que mantém como base para as leis do Estado a shariaAtualmente, o território do Estado Islâmico abrange parte da Síria e do Iraque, sob o comando do califa Abu Bakr al-Baghdadi, o líder do EI.
Oficialmente, a declaração do califado e a instituição do Estado Islâmico foi feita em 29 de junho de 2014. Formado majoritariamente por membro sunitas, os principais inimigos do Estado Islâmico são os xiitas, outra seita que deriva do islamismo. Os Estados Unidos, a Europa, os membros de outras religiões e demais partidários do “estilo de vida ocidental”, também são considerados alvos a serem combatidos por estes terroristas.Até o momento, o Estado Islâmico já realizou uma série de ataques terroristas em vários pontos mundo, com destaque para o massacre em Paris, em novembro de 2015, que matou mais de 130 pessoas e feriu outras 350.
Estado Islâmico no Brasil. Segundo a ideologia religiosa do Estado Islâmico, toda a nação considerada “infiel” ao islamismo será alvo de represália por parte do grupo terrorista.
Neste contexto, o Brasil seria um dos países na “lista negra” dos jihadistas do EI. No entanto, não há, até o momento, nenhuma ameaça direta do grupo terrorista aos brasileiros.
Uma das estratégias dos terroristas e difundir “células” em todos os países ocidentais, convocando os muçulmanos simpatizantes do movimento jihadista para praticarem o terrorismo no país em que residem.
FONTES DE PESQUISA

http://www.gotquestions.org/Portugues/Islamismo.html
http://guiadoscuriosos.com.br/categorias/1326/1/islamismo.html
http://www.significados.com.br/estado-islamico/

Comentários

  1. Nossa bastante informação o tema parece simples mas é bastante complexo e atual,ainda bem que podemos contar com essas informações já bem representadas e Glórias a Deus!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 03 - Os Dois Ícones da Igreja Primitiva

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta