O Batismo nas Águas e seu Significado

1. O QUE É O BATISMO?

É uma ordenança de Jesus. O batismo é uma ordenança clara de Jesus para todo aquele que n’Ele crê: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-as em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo” (Mateus 28.19)

É o selo da fé. O batismo deve ser visto como um selo da justiça que vem pela fé, e evidentemente deve seguir a fé, como determinam as palavras finais de Jesus que se encontram registradas no evangelho de Marcos: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado” (Mc 16.15,16). Esta é a razão porque não batizamos e nem tampouco validamos o batismo de crianças; é necessário crer primeiro e então se batizar. Obedecemos o princípio bíblico de consagrar os filhos ao Senhor, mas só os batizamos depois que puderem crer e professar sua fé.

É a circuncisão do coração. No Velho Testamento, os judeus tinham como selo de sua fé a circuncisão; no Novo Testamento a circuncisão foi suprimida, sendo vista simbolicamente no batismo: “Nele também fostes circuncidados, não por intermédio de mãos, mas no despojamento do corpo da carne, que é a circuncisão de Cristo; tendo sido sepultados juntamente com ele no batismo, no qual igualmente fostes ressuscitados pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos” (Colossenses 2.11,12). Hoje, esta circuncisão acontece no coração (Rm 2.28,29), e Paulo a relaciona com o batismo.

2. PORQUE DEVO ME BATIZAR?

É uma identificação com Cristo. O batismo tem um significado; além de ser um testemunho público da nossa fé em Jesus, ele fala algo. Na verdade é o meio através do qual externamos que tipo de fé temos depositado em Jesus Cristo. Quando falamos sobre a fé em Jesus, não nos referimos a crer que Ele EXISTE; é mais do que isto! A maioria das pessoas creem que Jesus existe mas não entendem o que Ele FEZ. São duas coisas completamente diferentes; o que nos salva da perdição eterna e da condenação dos pecados é a obra de Cristo na cruz em nosso lugar. Ao morrer na cruz, o Senhor Jesus não morreu porque mereceu morrer; pelo contrário, como justo e inocente, Ele nos substituiu, sofrendo o que nós deveríamos sofrer a fim de que recebêssemos a salvação de Deus. Há dois elementos básicos na fé que nos salva: identificação e apropriação. É importante entender cada um deles dentro do simbolismo do batismo.

Identificação é o aspecto da fé que nos faz ver que Jesus assumiu a nossa posição de pecado, para que assumíssemos a posição de justiça d’Ele (2 Co 5.21). A Bíblia declara o seguinte: “Porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus” (Cl 3.3). Quando Deus nos olha, ou Ele nos vê sozinhos em nossos pecados, ou nos vê através de Jesus Cristo, que já pagou por eles. A fé nos coloca com Jesus na cruz, crucificados com Ele; nos coloca no túmulo, sepultados com Ele; nos coloca ainda nos céus, à direita de Deus, ressuscitados com Cristo! É quando nos vemos n’Ele, entendendo o sacrifício vicário do Filho de Deus, que passamos a ter direito ao que Cristo fez; esta é a hora do segundo passo: apropriação.

Apropriação é o aspecto da fé que torna meu aquilo que já vi realizado em Jesus. É quando entendemos que não somos salvos pelas obras, mas sim pela graça, mediante a fé e nos apropriamos disto. Paulo escreveu a Timóteo e lhe disse: “toma posse da vida eterna” (1 Tm 6.12).

O batismo, é o nosso testemunho da identificação com Cristo; ele revela não apenas que eu tenho fé, mas que tipo de fé eu tenho. Veja o que as Escrituras dizem: “Ou, porventura, ignorais que todos os que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo, para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos para a glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida” (Romanos 6.3,4). Quando imergimos alguém na água, estamos simbolicamente declarando que esta pessoa foi sepultada com Jesus, e ao levantarmos esta pessoa das águas, estamos reconhecendo que ela já ressuscitou com Cristo para viver uma nova vida. Portanto, o batismo é onde reconhecemos que tipo de fé temos; uma fé que se identifica com Cristo e sua obra realizada na cruz.

3. O QUE ME IMPEDE DE SER BATIZADO? 
Depois de ter reconhecido por fé a obra de Cristo, quando a pessoa passa a estar apta para o batismo? Quanto tempo ela tem que ter de vida cristã para poder se batizar? A Bíblia responde com clareza estas questões. Em Atos 8.30 a 39, lemos acerca do primeiro batismo cristão apresentado em maiores detalhes na Bíblia. Neste texto, temos um modelo para a forma de batismo, e ali vemos que já na evangelização o batismo era ensinado aos novos convertidos, o que nos faz saber que ninguém deve demorar para se batizar após ter feito sua decisão de servir a Jesus. Além disso, vemos também qual é o critério para que alguém se batize; quando o etíope pergunta: “Eis aqui água, que impede que eu seja batizado?” a resposta de Felipe vem trazendo luz sobre o requisito básico para o batismo: “É lícito, se crês de todo coração” (At 8.36,37). Quando a pessoa foi esclarecida sobre a obra (e não só a pessoa) redentora de Jesus Cristo, e crê de todo o coração (sem dúvida acerca disto), ela está pronta para ser batizada. Não demorou muito para que o etíope entendesse o papel de Jesus no propósito de Deus e compreendesse também a necessidade de se tornar um discípulo batizado de Cristo. ‘O que me impede de ser batizado?’, perguntou ele a Filipe ao avistar um lugar onde havia água suficiente para isso. É claro que essas circunstâncias eram especiais. Ele era um homem de fé que já adorava a Deus como prosélito judeu. Talvez demorasse muito até surgir outra oportunidade de ele ser batizado. E o mais importante: esse homem entendia o que Deus requeria dele, o que o motivou a aceitar a explicação de Filipe de todo o coração. Filipe atendeu ao seu pedido com prazer, e o etíope, depois de ser batizado, “seguiu caminho, alegrando-se”. Com certeza ele se tornou um pregador entusiástico das boas novas em seu país. 

4. O QUE VAI MUDAR DEPOIS DO BATISMO?

Todas as bênçãos da Nova Aliança são frutos da morte e ressurreição do Senhor Jesus Cristo. Estas bênçãos ou benefícios são alcançados mediante o batismo espiritual, simbolizado pelo batismo em água. Jesus deixou o batismo como um dos canais prescritos para alcançarmos estas bênçãos e o Dom do Espírito Santo é a sua confirmação (Isaías 59.21). É verdade que o batismo não é um rito mágico, as bênçãos somente são desfrutadas com o batismo verdadeiramente bíblico e mediante a atividade da fé obediente que segue o rito. Isto é manifesto em Romanos, onde Paulo ensina sobre o verdadeiro batismo, isto é, o batismo espiritual 6.1-11. O tópico ali é a obrigação que temos de viver em santidade prática. Paulo primeiramente afirma que o batismo efetuou (isto é, o batismo espiritual, a realidade, do qual o batismo em água é o símbolo, pois nestas passagens também está incluído o batismo em água) o uma união com Cristo em Sua morte e ressurreição, de tal modo que, para o convertido, houve realmente morte no tocante ao pecado e uma nova vida de justiça (vs.4). A seguir Paulo explica como deve ser desfrutadas experimentalmente esta morte e esta vida: O crente em Jesus Cristo deve considerar-se diariamente morto e vivo, isto é, pela atividade de uma fé obediente e preciosa (v. 11; Atos 5.1-10; 8.13,18-24). O batismo em água ratifica o nosso compromisso de lealdade e submissão a Cristo Jesus, para uma vida de santidade. Por outro lado, o batismo expressa simbolicamente a Obra Redentora de Cristo, de modo que ele aponta de volta a este Glorioso Sacrifício e ao mesmo tempo para frente, para uma vida de obediência, caracterizada pela fé.

5. QUAL A IMPORTÂNCIA DO BATISMO?

O batismo cristão é uma de duas ordenanças que Jesus instituiu para a igreja. Pouco antes da Sua ascensão, Jesus disse: "Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século" (Mateus 28:19-20). Estas instruções especificam que a igreja tem a responsabilidade de ensinar a palavra de Jesus, de fazer discípulos e de batizá-los. Essas coisas devem ser feitas em todos os lugares ("todas as nações") até "à consumação do século." Então, se não por outra razão, o batismo tem importância porque Jesus o ordenou. O batismo já era praticado antes da fundação da igreja. Os judeus dos tempos antigos batizavam os prosélitos para significar a natureza "purificada" dos convertidos. João Batista usou o batismo para preparar o caminho do Senhor, exigindo que todos, não apenas os gentios, fossem batizados porque todo mundo precisa de arrependimento. No entanto, o batismo de João, que significa arrependimento, não é o mesmo que o batismo cristão, como visto em Atos 18:24-26 e 19:1-7. O batismo cristão tem um significado mais profundo. O batismo deve ser feito em nome do Pai, do Filho e do Espírito – isso é o que o torna "cristão". É através desta ordenança que uma pessoa é admitida na comunhão da igreja. Quando somos salvos, somos "batizados" pelo Espírito no Corpo de Cristo, que é a igreja. Primeiro Coríntios 12:13 diz: "Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito." O batismo pela água é uma "reconstituição" do batismo pelo Espírito. O batismo cristão é o meio pelo qual uma pessoa faz uma profissão pública de fé e discipulado. Nas águas do batismo, uma pessoa diz, sem usar palavras: "confesso a minha fé em Cristo; Jesus limpou a minha alma do pecado, e agora tenho uma nova vida de santificação". O batismo cristão ilustra, de forma cênica, a morte, sepultamento e ressurreição de Cristo. Ao mesmo tempo, ele também ilustra a nossa morte ao pecado e a vida nova em Cristo. Quando o pecador confessa o Senhor Jesus, ele morre para o pecado (Romanos 6:11) e é elevado a uma nova vida (Colossenses 2:12). Estar submerso na água representa a morte para o pecado, e emergir da água representa a vida santa e purificada que segue a salvação. Romanos 6:4 coloca desta forma: "Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida." Em resumo, o batismo é um testemunho exterior da mudança interna na vida de um crente. O batismo cristão é um ato de obediência ao Senhor depois da salvação; embora o batismo seja intimamente associado com a salvação, não é um requisito para ser salvo. A Bíblia mostra em muitos lugares que a ordem dos eventos é que 1) uma pessoa crê no Senhor Jesus e 2) então é batizada. Esta sequência é vista em Atos 2:41: "Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados" (ver também Atos 16: 14-15).

6. NÃO ME SINTO PREPARADO. O QUE EU FAÇO?

O batismo em águas é uma confissão pública de fé em Cristo, por intermédio de atos e palavras, na qual o batizando mostra ter aceitado plenamente as verdades concernentes à encarnação, à morte e à ressurreição de Cristo. Almejar o batismo faz parte do desenvolvimento de uma vida cristã saudável. Se você está vivendo de acordo com os padrões de Deus, cultivando amizade com Ele e falando a outros sobre sua fé, é natural que esteja pensando em se batizar. Mas, e se você não se sente preparado para dar esse passo? A decisão de se batizar deve ser voluntária e de coração. Você deve se batizar apenas quando estiver plenamente ciente do que este ato representa e tiver certeza de que está preparado para assumir essa responsabilidade. Por isso, se você sabe o que é certo e é maduro o suficiente para encarar sua vida com seriedade, mas não se sente preparado para o batismo, talvez seja hora de conversar com seu pastor. Desse modo, você pode descobrir como progredir em direção ao batismo.

7. COMO ACONTECE A MINHA TRANSFORMAÇÃO?

A santificação é um processo que jamais alcançaremos plenamente enquanto não formos transformados, e isso só ocorrerá por ocasião da volta de Cristo Jesus (1 Co 15.52-53). Enquanto estivermos aqui, nós precisamos participar de um processo que chamamos de santificação. Esse é um processo que exige de nós que lutemos diariamente para permanecermos nele; não podemos estacionar, nem parar, mas ir avante, aos poucos, avançando como numa estrada reta por onde temos que chegar ao nosso destino. Nessa estrada nunca estamos sozinhos, pois nos seria impossível caminhar nela por nossa própria capacidade; é aí que Deus propõe uma parceria. Na santificação, a humanidade também coopera com Deus, mas é apenas uma cooperação, porque o homem não tem como caminhar sozinho na estrada que conduz à santificação. A santificação é um processo, porque aqui, diferentemente da justificação e da regeneração, Deus não declara o homem santo (como faz na justificação e na regeneração), Ele vai nos santificando, porque nós também participamos. Através de toda a Bíblia, a santificação tem sido um elemento essencial na relação entre Deus e seu povo. Esta qualidade de ser separado do pecado é uma característica fundamental da santidade de Deus, que tem que ser desenvolvida como parte do caráter de seus filhos.

8. QUAIS AS MINHAS OBRIGAÇÕES?

Esta é a pergunta que cada um deve fazer: Como saber a minha função no corpo de Cristo? O Novo Testamento não dá um lista exata, mas a seguir se encontra algumas sugestões para lhe ajudar descobrir o seu dom:

1. Coloque-se totalmente à disposição de Deus. Esta é uma decisão pessoal e concreta que devia ter sido feito na sua conversão e que precisa ser renovada continuamente. Diga a Deus de coração, como Isaías fez: “Eis me aqui, envie a mim, Senhor" (Isaias 6:8).
2. Ore! Você sabe que Deus tem um propósito para você no corpo de Cristo. Então peça-O que lhe mostre o que seja. Ele vai lhe responder porque é Sua vontade. Medite em Salmos 25: " Ao homem que teme ao Senhor, Ele o instruirá no caminho que deve escolher."
3. Leia a lista de dons no Novo Testamento, você precisa começar a pensar sobre o que Deus considera um ministério. Veja Romanos 12:3-8; 1 Coríntios 12:28; Efésios 4:11,12; 1 Pedro 4:10,11. Alguns exemplos de dons (ministérios) de serviço são:
Servir (I Pedro 4:11; Romanos 12:7)
Ensinar (I Coríntios 12:28; Romanos 12:7; 2 Timóteo 1:11)
Exortar (Romanos 12:8)
Contribuir (Romanos 12:8)
Ajudar (Romanos 12:8; I Coríntios 12:28)
Mostrar misericórdia (Romanos 12:8)
Administrar (I Coríntios 12:28)
Pastorear, Supervisionar (Atos 20:28; Efésios 4:11; I Timóteo 3:1,2; Tito 1:5,7)
Evangelizar, Pregar, Ministrar (I Coríntios 9:16,17; Efésios 4:11, 2 Pedro 2:5; I Timóteo 4:6)
E dentre todos estes existe uma variedade de serviços que você pode fazer na igreja.
4. Considere as necessidades da igreja. Pedro diz claramente que devemos exercer os nossos dons para servir uns aos outros (1 Pedro 4:10). Então temos que visar as necessidades da igreja. Pergunte: O que a corpo está precisando? O que o corpo faz? O que o corpo precisa fazer? Como posso ajudar, fazendo a minha parte? Isto determina a lista dos dons ou serviços da igreja. Quando perceber estas necessidades, siga os seus desejos em supri-las.
5. Procure as oportunidades. Com o passar do tempo, talvez você vai perceber a direção em que Deus esteja lhe guiando.
6. Peça conselhos da liderança da igreja. Efésios 4:11,12 diz que eles tem os seus dons para equipar os santos. Aproveite o uso destes dons da liderança.
7. Tome a iniciativa. Você orou a Deus, tem uma ideia dos tipos de ministérios no Novo Testamento, considerou as necessidades da igreja. Já notou que Deus está sempre abrindo portas de oportunidade para você. Não espere mais. Tome a iniciativa e comece a fazer aquilo que O Senhor escolheu para você fazer.

9. O QUE É SER UM MEMBRO DE UMA IGREJA LOCAL?

Ser membro de uma igreja é antes de tudo dizer que concorda com o ensinamento, com a crença, com o conjunto de normas daquela Assembléia (Igreja). O membro deve defender aquilo que sua igreja crê, de forma que sua igreja não seja envergonhada por suas atitudes. Por este motivo nós estudamos as doutrinas Bíblicas antes do batismo e fazemos profissão de fé. Na profissão de fé, a pessoa afirma uma série de compromissos e responsabilidades e depois elas são esquecidas e a Igreja passa a ser um ponto de encontro ou lugar par ir se tiver tempo. As igrejas modernas entenderam esses tipos de crentes e criaram igrejas que satisfazem essa forma de viver como cristão. São crentes somente que vão aos cultos de domingos e não querem servir ao Mestre, o cabeça da Igreja, o Senhor Jesus. Através de textos sagrados, compreendemos que ser membro de uma igreja significa primeiramente estar reunido. Aliás, é esse o sentido de igreja, do grego ecclesia. Igreja é reunião e se alguém não se reúne junto com outros da mesma fé então não é membro no sentido estrito da palavra. Se as atitudes do crente estiverem levando o nome do evangelho ao escândalo, é melhor que ele deixe de ser membro, procure corrigir a sua vida e depois peça reconciliação à igreja. Para que seja apresentado sempre digno diante da sua igreja e da sociedade. Esta é a disciplina. O que deve ser determinante para que uma pessoa seja membro de uma igreja é aceitar, concordar e respeitar a doutrina da igreja e respeitar a direção pastoral, porque o pastor é o guia da Igreja. O pastor não é um fantoche, nem enfeite de púlpito e também não é o boneco propaganda da Igreja. O pastor é o ungido do Senhor, o profeta de Deus para conduzir a Igreja, amá-la, discipliná-la e exortá-la.

10. ONDE ESTÁ ESCRITO QUE PRECISA SE BATIZAR ANTES DE PARTICIPAR DA SANTA CEIA?

 Não temos um mandamento específico ordenando que a pessoa se batize antes de participar da Santa Ceia, porém, temos alguns princípios que nos apontam que devemos sim proceder o batismo antes de servir a Santa Ceia a alguém. A ordem primária de Jesus aos Seus discípulos na grande comissão era para discipular e batizar os que cressem: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.” (Mateus 28.19-20). Assim, a Bíblia parece nos apontar que uma vez que a pessoa creu em Jesus e é reconhecidamente crente, deve se dispor ao batismo, onde mostra diante de todos, mediante o lavar da água, que seu coração é de Deus. Seguido a isso a pessoa está credenciada a participar de todos os benefícios comunitários de ser uma serva de Deus e um deles é o de participar do corpo e do sangue de Cristo. Não encontro elementos na Bíblia que apoiem nem explicita nem implicitamente que a Santa Ceia possa ser tomada sem que a pessoa seja reconhecidamente da família cristã (igreja). Sendo o batismo um dos primeiros passos práticos dado pelo cristão após crer, logo, ele deve ser dado para que os outros passos venham na sequência. Dessa forma o cristão deve participar da Ceia tão logo seja batizado e tenha professado sua fé diante da comunidade.

11. O BATISMO SALVA?

O batismo não salva, mas acompanha a salvação. O batismo não salva ninguém. Jesus disse que quem crer (e for batizado por crer) será salvo e quem não crer será condenado; note que ele não disse “quem não for batizado será condenado”, mas sim “quem não crer”.O batismo segue a fé que nos leva à salvação, mas ele em si não é um meio de salvação. Que o diga aquele ladrão que foi crucificado com Cristo e a quem Jesus disse que estaria com ele ainda aquele dia no paraíso (Lc 23.39 a 43); ele somente creu e nem pôde ser batizado, mas não deixou de ser salvo por isto. O batismo, portanto, não salva, mas nem por isso deixa de ser importante e necessário; aquele ladrão não tinha condições de passar pelo batismo, mas alguém que crê deve obedecer à ordenança de Cristo e ser batizado, caso contrário estará em deliberada desobediência a Deus, o que poderá impedir-lhe de entrar para a vida eterna. Podemos dizer que o batismo é parte do processo de salvação, mas não que ele em si salve; o apóstolo Pedro escreveu o seguinte acerca do batismo: “não sendo a remoção da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus, por meio de Jesus Cristo” (1 Pe 3.21).

12. E SEU EU PECAR APÓS SER BATIZADO?

Uma vez que o pecado é inerente ao ser humano, o batismo não é a garantia de que não mais iremos pecar. E, se acontecer, nem tudo estará perdido, pois temos um excelente Advogado. O pecado está no DNA do homem; e por mais santos, crentes e tementes a Deus que possamos ser, sempre seremos tentados a pecar enquanto estivermos aqui nesta terra. Entretanto, estamos vivendo um relacionamento com Deus, e o crente que quiser realmente agradá-Lo, irá fugir do pecado, assim como José fez, e lutar, diariamente, com a ajuda do Espírito Santo, para manter-se puro. Quanto mais próximos andarmos de Jesus, mais distantes andaremos do pecado, isso acontecerá naturalmente. A caminhada com Jesus deve ser levada a sério, a decisão de batizar-se deve ser tomada de forma consciente das implicações dessa nova vida. Uma vez que professamos a fé em Jesus, morremos para o mundo, e assumimos publicamente o compromisso de viver somente para Deus, devemos viver de acordo. Entendemos a seriedade e a responsabilidade do batismo quando lemos o que Jesus disse a Pedro: "tudo o que ligares na terra, será ligado nos céus; e o que desligares na terra, será desligado nos céus.

CONCLUSÃO

Muitas vezes Deus fez uso da água como linha divisória. Nos dias de Noé, a água do dilúvio separava o mundo pecaminoso da nova vida num mundo purificado (Gênesis 6-8). No êxodo, a água do mar Vermelho era a linha divisória entre a escravidão e a liberdade (Êxodo 12-15). Nos dias de Naamã, a água do rio Jordão era a linha divisória entre a lepra e a purificação (2 Reis 5). Nos dias do cego, a água do Tanque de Siloé era a linha divisória entre a cegueira e a capacidade de ver (João 9). Por que Deus usou a água nesses casos, eu não sei. Mas, sem dúvida, não nos deve parecer estranho que Deus tenha feito a água no Novo Testamento ser a linha divisória entre a velha vida de pecado e a nova vida em Cristo. O batismo não é o único requisito para a salvação hoje, mas não podemos ser salvos sem ele. "Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: Quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus" (João 3:5)

FONTES DE PESQUISA

http://www.orvalho.com/ministerio/estudos-biblicos/o-batismo-nas-aguas-por-luciano-subira/
http://www.estudosdabiblia.net/c12.htm
http://www.doutrinasbiblicas.com/bencaosdobatismo_t/bencaosdobatismo.htm
http://www.gotquestions.org/Portugues/batismo-cristao.html
http://www.webservos.com.br/gospel/estudos/estudos_show.asp?id=6518
http://pastoral.ibnovaheliopolis.com/?p=81
https://www.esbocandoideias.com/2013/11/preciso-ser-batizado-para-participar-da-santa-ceia.html


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 03 - Os Dois Ícones da Igreja Primitiva

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta