Lição 06 - Autoestima, um Ajuste no Foco

"Ninguém tenha de si mesmo um conceito mais elevado do que deve ter; mas, pelo contrário, tenha um conceito equilibrado" - Romanos 12.3

Texto Bíblico Básico: Juízes 6.11-16; Juízes 13.4,5


CONCEITO BÍBLICO DE AUTO IMAGEM


Alguns crêem  que a auto-estima e a Bíblia não se misturam. Outros estão convencidos de que não há melhor lugar para encontrar auto-respeito  e auto-aceitação. A verdade é que a auto-estima pode ser adquirida com orgulho ou com humildade. E ninguém tem maior potencial para o auto-respeito e a dignidade do que os que aprendem a ver-se a si mesmos do ponto de vista do céu.

     O nosso Pai no céu, como todos os pais que amam, quer que nos sintamos bem connosco mesmos. Mas Ele quer que nos sintamos assim nos Seus termos, e não nos nossos. Isso poderá soar-nos a más notícias. Mas não são. Os valores do céu são muito mais ricos e muito mais cheios de significado do que os valores desta curta vida que tendem a captar a nossa atenção.

     Pelos padrões humanos, o nosso bem-estar e capacidade de nos sentirmos bem connosco mesmos jaz em valores como a beleza, inteligência, dinheiro, capacidade, força, e possessões. Mas se os nossos valores forem estes, meter-nos-emos em problemas. Eles são superficiais e enganadores. A nossa rede de valores não é igual à soma total da nossa aparência, capacidades, e a nossa fartura.

     É uma mentira descabida sermos convencidos a sentirmo-nos mal connosco mesmos porque não nos comparamos bem com os outros nestas áreas.  Mas quando se vai ao verdadeiro cerne da auto-estima, precisamos de atentar para o que o Profeta Jeremias escreveu. «Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas. Mas o que se gloriar glorie-se nisto: em Me conhecer e saber que Eu sou o SENHOR, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas Me agrado, diz o SENHOR» (Jeremias 9:23-24).

     Somos levados mais pelo dinheiro ou pela nossa integridade? Estamos mais preocupados com o parecer bem ou o fazer bem? Estamos mais preocupados com o que podemos obter dos outros ou com o que lhes podemos dar? Reflectimos meramente as nossas circunstâncias, ou erguemo-nos acima das nossas circunstâncias como pessoas com propósito e princípios? Estes pormenores de carácter podem fazer uma enorme diferença em acabarmos, ou não, por nos sentirmos bem connosco mesmos. O carácter que é desenvolvido em nós por Deus faz a maior diferença em tudo.
Existem várias coisas que melhoram a nossa autoestima. Ouvir um elogio e saber que somos admiradas é uma bomba de ânimo; ser valorizada pelas nossas competências e talentos é o combustível para aquela confiança de que tudo está indo bem. Vestir aquela roupa novinha e fazer uma maquiagem espetacular se torna uma boa garantia de que vamos “fazer bonito”.
Mas existe um sutil equívoco exatamente no que melhora nossa autoestima. No dicionário lemos que a autoestima é o “apreço ou valorização que uma pessoa confere a si própria, permitindo-lhe ter confiança nos próprios atos e pensamentos”. Se for eu quem me valorizo, então por que dou tanto ouvidos para o que vem de fora? Por que será que pauto a minha boa autoestima no que falam de mim e no que não falam?
Esse, infelizmente, é o equivoco que a maioria das mulheres e homens comete. Como consequência, nos encontramos prostrados e tristes. A nossa autoconfiança parece não existir e ficamos suscetíveis aos pensamentos malignos sobre a vida, sobre nós e sobre o que estamos fazendo em nossa sociedade.
O padrão de beleza em nossa sociedade é utopia, mas buscamos freneticamente alcançá-lo. E para quê? Para alcançar a margem de um padrão de autoestima vulnerável e fútil, que nós cristãs temos deixado ser o alvo do nosso coração. “Somos mulheres cristãs em um contexto social que cultua a aparência física. Neste mundo que supervaloriza a imagem, as mulheres que não alcançam o padrão de beleza reproduzido nas revistas e na televisão, sentem-se marginalizadas e sofrem prejuízos em sua autoestima”, é a reflexão que a consultora de imagem Aninha Miranda faz sobre a mulher cristã.
A Bíblia é clara: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” (Jeremias 17.9). Não podemos basear nossa autoestima no que o nosso coração pensa ser o melhor. Precisamos nos pautar no que Deus diz ser o melhor. “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais” (Jeremias 29.11).
O padrão bíblico de beleza é o remédio para nos curar da necessidade de alimentar nossa autoestima pelo que os outros falam. De dentro para fora somos adornadas pelo Espírito Santo. Nossa alma é abrilhantada pela alegria da salvação (1Sm 2.1), e o coração, cheio de alegria, traz a formosura ao nosso semblante (Pv 15.13). O nosso espírito, fortalecido no Senhor, não dá espaço aos pensamentos negativos e ignora as palavras venenosas do inimigo (Sl 51.10).
Em nosso físico, Templo do Espírito Santo, usamos a maquiagem com moderação. Não nos escondemos por detrás do pó, nem deixamos a sombra tampar o que temos de bonito. Somente valorizamos e acentuamos o que gostamos em nós. Vestimos-nos como Paulo alerta: “traje honesto” (1Timóteo 2.9), e nos portamos com feminilidade, fugindo sempre da aparência do mal (1Tessalonicenses 5.22).
Quando entendemos e vivemos essa verdade, nos libertamos do equívoco e passamos a viver o real significado da palavra autoestima. De fato, se você pensa o melhor sobre você, tendo a certeza do que Deus diz em sua Palavra, a baixa autoestima dá lugar à alta. E falem o que quiserem, pensem o que quiserem, nada pode abalar sua autoconfiança. A sua autoestima depende somente de você (Filipenses 4.3).

COMO UM CRISTÃO DEVE ENCARAR A AUTO-ESTIMA?


Muitas pessoas definem a autoestima como sentimentos de valor baseados em suas habilidades, realizações, posição social, recursos financeiros ou aparência. Esse tipo de autoestima pode levar uma pessoa a se sentir independente e arrogante, e acabar participando de louvor próprio, o qual atrapalha nosso desejo por Deus. Tiago 4:6 nos diz: "Antes, ele dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes". Se confiarmos apenas em nossos recursos terrenos, inevitavelmente acabaremos com um sentido de valor baseado em orgulho. Jesus nos disse: "Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer" (Lucas 17:10).

Isso não significa que os cristãos devam ter baixa autoestima . Apenas significa que o nosso sentimento de ser uma boa pessoa não deve depender do que fazemos, mas de quem somos em Cristo. Devemos nos humilhar diante dEle, e Ele vai nos honrar. Salmo 16:2 nos relembra: "A minha alma disse ao SENHOR: Tu és o meu Senhor, a minha bondade não chega à tua presença". Os cristãos conseguem valor próprio e autoestima ao possuir um relacionamento correto com Deus. Podemos saber que temos valor porque Deus pagou um alto preço por nós através do sangue do Seu Filho, Jesus Cristo.

A Bíblia nos diz que Deus nos deu valor quando Ele nos comprou para ser o Seu povo (Efésios 1:14). Por causa disso, apenas Ele é digno de honra e louvor. Quando temos uma autoestima sadia, nós nos valorizaremos o suficiente para não participarmos do pecado que escraviza. Ao contrário, devemos agir com humildade, considerando outras pessoas superiores a nós mesmos (Filipenses 2:3). Romanos 12:3 nos adverte: “Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um”.


"Não interessa o que a vida ou as circunstâncias ao seu redor vão fazer com você, a vida pode te amassar, te pisar, te maltratar, você continua tendo o valor da cruz do Calvário, você vale o preço mais caro desse mundo, e você tem sobre você a Palavra do Deus eterno" -
          Pra. Helena Tannure
O EXERCÍCIO DE SE AMAR
Constantemente, eu ouço comentários ou leio artigos sobre autoestima. Na maioria das abordagens que analisei, a auto estima está sempre ligada ao físico e sua aceitação. A orientação dada é que devemos nos amar e cuidar do nosso corpo. Vestir-se bem, manter uma boa alimentação, cuidar da forma física, tudo isso são passos para elevar a autoestima e sentir-se bem consigo mesmo. Na minha opinião, o foco para trabalhar a autoestima deve ser muito mais amplo. É necessário se amar e fortalecer essa relação de amor e confiança em si próprio. Quando nos amamos e acreditamos em nosso potencial, somos capazes de transformar a nossa vida e alcançar os objetivos desejados. Acreditar em si mesmo e se dar o devido valor. Quando adotamos essa postura, passamos, também, a dar limites aos outros. Compreendemos que dizer NÃO é necessário para nosso próprio respeito e bem estar. Por estarmos seguros do nosso valor, não precisamos mais concordar e aceitar tudo que o outro nos pede e impõe.  A nossa força interior e auto confiança nos faz entender que as pessoas devem nos amar independentemente de sermos “bonzinhos”.  A nossa aceitação interna é tamanha que não precisamos mais da aprovação de ninguém para nos sentirmos bem. Quando essa necessidade de aprovação cai por terra, não mais sofremos para dar limites às pessoas. Dizer não é uma questão de amor próprio e respeito a si mesmo. Agora pense: quando a autoestima está elevada, você concorda que passamos a nos dar mais valor e exigir mais respeito por parte das pessoas? É exatamente isso que acontece! Por isso que dizem que pessoas seguras não levam desaforo para casa. Não digo isso no sentido de estimular comportamentos agressivos, nada disso! O que é modificado é nosso auto conceito e, à partir disso, não permitimos que outras pessoas nos inferiorize ou desrespeite. Tudo desfila novamente na passarela do amor próprio! E assim, se forma uma pessoa com a autoestima elevada. Alguém que se ama acima dos julgamentos alheios e que não tenta se encaixar nos esteriótipos somente para ser aceita. Ter a auto estima elevada é se respeitar e valorar o seu bem estar acima de qualquer coisa, não de uma forma egocêntrica, mas de maneira natural. Quando nos amamos, é normal que nos cuidemos e exijamos dos outros esse mesmo comportamento.

FONTES DE PESQUISA

 http://www.luzdaserra.com.br/autoestima-o-exercicio-de-se-amar
http://www.lagoinha.com/ibl-vida-crista/sua-autoestima-depende-somente-de-voce/
https://gotquestions.org/Portugues/auto-estima.html
http://www.iqc.pt/index.php?option=com_content&id=856:auto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 03 - Os Dois Ícones da Igreja Primitiva

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta