Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta

"Ou cuidais vós que em vão diz a Escritura: O Espírito que habita em vós tem ciúmes? Tiago 4.5

Texto Bíblico Básico: Números 5.11-15, 29-31
Entende-se por ciúmes a falta de confiança e a suspeita de infidelidade pelo outro, há quem diga que seja também um sentimento de inferioridade e o medo de perder o parceiro.
O excesso de ciúmes tem gerado muitos desentendimentos, principalmente entre os casais, cada vez mais o índice de divórcio tem crescido, e este é um dos grandes responsáveis por parte das separações existentes.
O ciúme dentro de uma normalidade não é prejudicial, pelo contrário está atrelado ao amor, pois é uma forma de demonstração de preocupação, assim como afirma I Co 13.4, o amor não arde em ciúmes, ou seja, não inflama, não queima, não há ameaças, enfim não ultrapassa os limites.
Um exemplo de ciúmes sadio, é o que o Espírito Santo sente pelo cristão, como afirma no livro de Tiago, capítulo 4 e versículo 5 que diz: “Ou supondes que em vão afirma a Escritura: É com ciúme que por nós anseia o Espírito, que ele fez habitar em nós?” O Espírito Santo de Deus tem ciúmes da adoração de Seus filhos, Ele não permite que estes se prostrem diante de nenhum outro deus ou imagem de escultura, é o tipo do ciúme que é conota cuidado e amor.
Portanto para se ter uma boa relação afetiva seja com quem for é preciso tomar alguns cuidados para não exagerar nesse sentimento tão complexo de se lidar, caso exista dificuldade em controlá-lo, nada melhor do que pedir auxilio para Deus, pois Ele dará a melhor solução para qualquer tipo de problema.
É preciso destacar que a natureza humana foi corrompida pelo pecado e que, inevitavelmente, podem surgir distorções cognitivas e afetivas. O ser humano é naturalmente egoísta, e o egoísmo é a base do pecado. A atitude de desconfiar de Deus, de colocar o eu e a vontade própria acima de Deus e de Sua vontade é, na verdade, a essência do pecado. O problema do ser humano é o pecado, e o ciúme, no aspecto negativo, reflete essa realidade.
Esse tipo de ciúme é um sentimento que gera sofrimento em relação a outra pessoa de quem se espera amor exclusivo. É o temor de que ela dedique sua afeição a outra pessoa. Quando esse sentimento é justificado por um motivo real o ciúme serve como um alerta emitido para que o problema seja confrontado em amor, visando o bem e a integridade.
O ciúme de que trata a Bíblia é oriunda do sentimento de propriedade. Propriedade no sentido de ser próprio, ser parte de um todo de forma indivisível. Tal e qual nossos braços ou mãos são nossa propriedade, e jamais poderíamos dispor deles. Jamais poderíamos dá-los ou emprestá-los a outrem. Compreende o que quero dizer? O segundo tipo é oriundo da arrogância ou da insegurança. Da arrogância quando um dos cônjuges trata o outro como uma coisa preciosa, como uma propriedade qualquer cujo egoísmo não deixa ser vista ou tocada por outrem. As pessoas a quem amamos (ou pelo menos pensamos que amamos) não nos pertencem. Muito pelo contrário. Nós é que pertencemos às pessoas que amamos.  É curioso a Palavra chamá-lo de “espírito de ciúmes” – Números 5:14. Ora, se a Palavra diz que é um espírito, devemos evitá-lo e também, evitar a ação dele sobre nossas vidas… Fonte: http://estudoscristaos.com/2008/07/o-perigoso-cimes.html
DEUS SENTE CIÚMES?

(1) Analisando a Bíblia vemos que existe sim menção de que Deus tem ciúmes; observe o texto de Ezequiel 8.3: “Estendeu ela dali uma semelhança de mão e me tomou pelos cachos da cabeça; o Espírito me levantou entre a terra e o céu e me levou a Jerusalém em visões de Deus, até à entrada da porta do pátio de dentro, que olha para o norte, onde estava colocada a imagem dos ciúmes, que provoca o ciúme de Deus.”. Nessa ocasião o Espírito mostra ao profeta Ezequiel a idolatria em que o povo de Deus estava vivendo, distantes dos caminhos Dele. E vemos claramente que havia certa imagem, que em especial, provocava esse ciúme em Deus.

(2) Porém, precisamos avaliar corretamente a forma ou o tipo desse “ciúme” que Deus tem. Estamos acostumados com a definição do que é o ciúme humano, que é definido pelo dicionário como “1.Receio ou despeito de certos afetos alheios não serem exclusivamente 
para nós. 2. Inveja. 3. Receio.”. Nesse sentido o ciúme humano é algo doentio, que desequilibra mental e espiritualmente o ser humano e, muitas vezes, o leva a atitudes descabidas baseado nesse sentimento egoísta. Esse tipo de ciúme é chamado na Bíblia de obra da carne e não deve estar na vida do crente: “Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, …” (Gl 5.19-20 )

(3) Já esse ciúme atribuído a Deus em alguns versos da Bíblia, é algo bem diferente do ciúme humano pecaminoso, é algo como o “lado bom do ciúme”. Poderíamos compreender melhor esse significado usando o sinônimo “zelo”. Deus é zeloso pelo Seu povo e também pela Sua própria glória. Um dos dez mandamentos dados por Deus fala sobre isso: “Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque eu sou o SENHOR, teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem” (Ex 20. 5).

(4) De nenhuma forma Deus demonstra nas Escrituras Sagradas um ciúme desequilibrado e que possa ser comparável ao ciúme humano. Ele é o Criador de todas as coisas, o Soberano, por isso, Seu zelo (ciúme) exige que Suas criaturas andem de acordo com Sua vontade. Esse zelo de Deus é uma proteção aos Seus filhos amados, que Ele não deseja que se percam e andem em caminhos contrários à Sua palavra. Não vemos na Bíblia menção de Deus tendo ciúmes por qualquer coisa sem sentido. A menção desse ciúme de Deus sempre está no contexto de quando o povo abandona o Senhor e segue outros deuses, causando justa indignação do Senhor. Deus é claro quanto a isso: “Eu sou o SENHOR, este é o meu nome; a minha glória, pois, não a darei a outrem, nem a minha honra, às imagens de escultura.” (Is 42. 8). Esse é o ciúme de Deus mencionado na Bíblia.

(5) Vemos também registrado na Bíblia, por exemplo, em Ezequiel 16.42 o ciúme de Deus como sinônimo da aplicação da sua ira contra os pecadores contumazes: “Desse modo, satisfarei em ti o meu furor, os meus ciúmes se apartarão de ti, aquietar-me-ei e jamais me indignarei”.

(6) Assim, fica claro que não existe qualquer relação entre o ciúme atribuído a Deus, totalmente legítimo, e o ciúme que vemos presente no ser humano, descontrolado, que a Bíblia chama de obra da carne.

COMO LIDAR COM O CIÚME

Pela maneira como o amor é descrito em I Coríntios 13, percebe-se que aquele que ama está preocupado com o outro, e não apenas consigo mesmo. O amor é um sentimento madu­ro que traz segurança e equilíbrio para a família; já o ciúme é uma paixão doentia que sufoca o amor e pode ser, muitas vezes, um ódio disfarçado. O ciúme é falta de confiança no outro e em si mesmo.
Em I João 4.18 lemos: “No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo”.Esta afirmação do apóstolo João poderia muito bem ser parafraseada e lida da seguinte maneira: “No ciúme não existe amor; antes, o doentio ciúme lança fora o amor”.
Não são poucos os casamentos que desmoronam por causa dos ciúmes. Muitos casais que “ardem” em ciúmes pensam que esse sentimento é resultado de amor ao cônjuge, mas, na verdade, é amor a si mesmo, egoísta e possessivo, que não deixa o outro respirar livre­mente.
Descrevendo a força do amor, o escritor de Cantares declara: “…porque o amor é forte como a morte, e duro como a sepultura o ciúme…” (Ct 8.6).
Por outro lado , no entanto, a falta de amor leva ao descuido e ao abandono do outro. -“Você pode fazer o que quiser que eu não estou nem aí!” Esta frase tem sido comum em muitos casamentos. São casais que não se importam e nem se preocupam com aquilo que o outro faz ou deixa de fazer. Isso é falta de amor.
Esse sentimento (ciúme) equilibrado, sério, pode evitar muitas dificuldades e ajudar o casal e o lar a cultivarem o verdadeiro amor.
Se o ciúme exagerado é um sentimento que desestrutura a família e elimina o amor, é preciso corrigi-lo e vencê-lo. Este tipo de ciúme é uma doença que se vai alastrando e pode tornar-se incontrolável. O que fazer, então, para corrigir este sentimento? O que segue abaixo são apenas princípios, e não regras, que podem ajudar na solução do problema.
 Verifique se o ciúme têm fundamento. Muitas cenas de ciúme não têm qualquer fundamento. Resultam de uma mente negativa e que apenas enxerga o que é mau. Se hou­ver fundamento, estude um modo cristão, através do diálogo, para resolver o problema. Não é com cenas de violência física e verbal que se chega a um entendimento.
 Vença o complexo de inferioridade. Muitas vezes o ciúme é gerado por causa desse complexo. A pessoa se sente tão inferior que perde a confiança em si mesma. Seja você mesmo e acredite no seu potencial.
 Desenvolva um sentimento de confiança no outro. Muitas vezes nos acostumamos a desconfiar dos outros e todo gesto ou atitude é motivo para enciumar-se.
 Compreenda o temperamento do outro. Os temperamentos são diferentes e nunca conseguiremos que os outros sejam iguais a nós. É preciso compreender que dentro de casa os membros da família têm temperamentos diferentes.
 Seja altruísta. Isto é, pense mais em dar do que receber. Não se deixe dominar pelo egoísmo.
 Saiba distinguir o ciúme natural do ciúme doentio. É preciso perceber até onde o ciúme está sendo construtivo ou destrutivo. Muitas vezes ele extrapola os limites da tole­rância.
 Peça ajuda a Deus. Coloque diante de Deus o seu problema. Muitas vezes o ciúme é gerado por causas desconhecidas e traumáticas. Deus irá ajudá-lo a superar esse ciúme destrutivo. “Deus é amor… o amor lança fora o medo” (I Jo 4.7-21).
FONTES DE PESQUISA
https://www.esbocandoideias.com/2014/07/deus-tem-ciumes-de-mim-deus-sente-ciumes.html

https://pastorjosiasmoura.com/2010/07/01/estudo-biblico-para-o-culto-de-doutrina-tema-ciumes-na-familia/

Comentários

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 03 - Os Dois Ícones da Igreja Primitiva