Galera de Cristo 12 - A Conversa Aproxima a Família

"Dar Resposta Apropriada é motivo de alegria; e como é bom um conselho na hora certa!" Provérbios 15.22

PAPO SÉRIO

SABER COMUNICAR-SE

Todos os males da sociedade, sejam financeiros, políticos, trabalhistas, escolares ou religiosos têm a sua origem no coração do homem. Sabemos como é o coração do homem (Jer. 17:9; Rom 3:10-23). A instituição que Deus estabeleceu, ainda no jardim do Éden, que ajuntou duas pessoas em maneiras especificas para ser uma unidade é o que chamamos de família. O ambiente que é formado pelo amor exercitado entre todos da família cria o que chamamos de “o lar”. O lar tem suma importância na vida humana pois é o berço de costumes, hábitos, caráter, crenças e morais de cada ser humano, seja no contexto mundial, nacional, municipal ou familiar. Então, podemos dizer, como vai o lar vai o mundo, e também, o que é bom para a família é bom para o mundo. Vivemos na era da comunicação: rádio, TV, telefone, computador, internet… E a cada dia que passa o mundo se faz menor, pois a facilidade na comunicação divul­ga rapidamente comportamentos e acontecimentos dos vários povos, reduzindo as distâncias e aproximando as pessoas. Um episódio ocorrido em qualquer parte do mundo corta o espaço e o tempo em segundos ou instantaneamente, via satélite. Porém, é lamentável perceber que o desenvolvimento que tanto facilita a vida moderna não foi capaz de reduzir as constantes reclamações quanto à comunicação inter-pessoal. Na vida de cada dia, a correria, o cansaço, a TV, os atritos, etc, roubam a possibilidade da comunicação tão necessária ao relacionamento familiar, e, infelizmente, as pessoas vão se tornando estranhas mesmo residindo sob um mes­mo teto. Como este problema afeta a vivência familiar? Quais as possíveis implicações e interferências na comunicação na família? Dizem que “roupa suja se lava em casa”. Como fazer isto?

 A IMPORTÂNCIA DE COMUNICAÇÃO - Salmos 19:14


 A Comunicação definida. Comunicação é o ato ou efeito de comunicar (-se), que é de emitir, transmitir e receber mensagens. É a capacidade de trocar ou discutir idéias, de dialogar, de conversar, com vista ao bom entendimento entre pessoas. A comunicação social, próprias dos seres humanos, é baseada em sistemas de signos em oposição à comunicação baseado em sistemas de instruções ou comandos, como a se faz entre animais ou máquinas. - Dicionário Aurélio Eletrônico


Qualquer tentativa de fazer saber ou tornar comum algo é de comunicar-se. Comunicação tem como objetivo de travar ou manter entendimento. É de ligar ou unir por exposição oral. - Novo Dicionário Aurélio, 1a edição.

Vendo essas definições, podemos concluir que comunicação é o ato de uma pessoa relatando à uma outra as suas idéias, sentimentos, crenças, sugestões ou ordens. Mesmo que se transmite sentimentos, a comunicação não é sentimentos em expressão, mas palavras expressando sentimentos. Geralmente, no contexto familiar, os problemas na comunicação centram no erro que comunicação é um diálogo de emoções. Não é. Comunicação é um dialogo de palavras que expressam as emoções.


B. Os Exemplos de Comunicação 
1. Deus fez o homem na sua própria imagem que determina a diferença do homem de qualquer outra parte da criação. Foi ao homem que Deus dirigiu quando a sua voz “passeava no jardim pela viração do dia” (Gên. 3:8-12). Então o primeiro exemplo de comunicação humana na Bíblia é Deus com o homem. Para ter o sublime exemplo de como comunicar bem e efetivamente o amor, desgosto, dor, doutrina, repreensão e como dar uma variedade de lições para grupos diversos de seres tanto humano como angélico, estude as próprias conversas de Deus relatadas na Bíblia Sagrada.


2. A própria Bíblia é a comunicação de Deus para o homem na qual tudo que Deus quer revelar para o homem é relatado, e isso para sua esperança (Rom 15:4). É com palavras que Deus usa para nos comunicar a Sua mente. Podemos estudar Êxodo 20 (os dez mandamentos) para ver que quando Deus trata assuntos de altíssima importância, Ele, mesmo assim, mantém as palavras diretas mas de fácil compreensão.

3. O Espírito Santo comunica com o mundo em geral (Sal 145:9; Prov. 21:1; Atos 17:27,28), e com os eleitos em particular (João 14:26; 15:26; 16:7-14). Mesmo que o Espírito de Deus reprova ou conforta e isso na Sua maneira misteriosa Ele comunica trazendo a nós as palavras de Deus (Luc 12:12; João 14:26). Nisso podemos dizer que Ele também comunica usando expressão verbal e é um exemplo notável de comunicação (Isa 30:21, “ouvirão a palavra...”).

4. A natureza declara as coisas invisíveis de Deus, “desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade” de uma voz tão eficaz que todos “se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas” que eles ficam “inescusáveis” (Rom 1:20). É dita que a natureza usa uma voz e palavras numa linguagem que “estende por toda a terra” (Sal 19:1-4). Então podemos dizer que a natureza é ativa em comunicação também e merece menção como uma meta para nós imitarmos em nossas conversas.

5. Oração é uma transmissão de mensagem a Deus pelo homem, e mesmo que esta atividade envolve sentimentos que vem das profundezas do coração, ela não escapa de ser uma exposição oral de uma pessoa a uma outra (I Samuel 2:1-4; Mat. 6:9-13).

O ALVO DA COMUNICAÇÃO

“E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.” Colossenses 3:17

O alvo de comunicação no lar não é nada diferente que o objetivo de viver que é de glorificar Deus em toda parte das nossas vidas (Ecl. 12;13; Rom 16:28; I Cor 10:31; I Ped 4:11). A comunicação pode ser útil para glorificarmos Deus:
  • Efésios 4:24, “E vos revistais do novo homem”
  • Colossenses 4:6, “a vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal”
  • Tito 2:7,8, “Em tudo te dá por exemplo de ... linguagem sã e irrepreensível”
 O QUE A BOA COMUNICAÇÃO NÃO É

1. Comunicação corrupta - Col. 3:8
2. Manipulação - Juizes 16:16,17 (Num 14:36)
3. Murmurações - Fil. 2:14

O QUE A BOA COMUNICAÇÃO É

“Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, SENHOR, Rocha minha e Redentor meu!”- Salmos 19:14
1. Ações de Amor - Mar 12:31; I Cor 13:8
É bom lembrar que diferenças de opinião não são necessariamente defeitos numa personalidade. Quem é que nos faz ser diferentes (I Cor 4:7)? As diferenças que existem em cada pessoa enfatiza o fato que esforços vão precisar ser exercitados para termos boa comunicação um com o outro. Quando consideramos as diferenças de cada pessoa e procuramos de aproveitar o bom que cada um pode oferecer estamos mostrando ações de amor tanto para aquela pessoa quanto a seu Criador.
2. Escutando - Tiago 1:19
É bom considerar porque Deus nos deu duas orelhas e uma só boca. Pode ser que devemos ouvir duas vezes mais que falamos. Um bom conversador sabe bem escutar os outros. E por falar de escutar, já percebeu que quando a boca está aberta, a mente já parou de coletar conhecimento? Portanto, para crescer em conhecimento, são os ouvidos que devem ser abertos e não a boca.

COMUNICAÇÃO ABERTA
No lar todos precisam se sentir à vontade. Cada um deve ter espaço para compartilhar seus problemas, resolver as suas dúvidas, falar das suas necessidades, comemorar as suas vitórias, etc, em uma conversa aberta, sem barreiras e preconceitos. A inexistência desta liberdade de comunicação tem obrigado muitos a extravasar as suas necessidades com outras pessoas. E nem sempre isso acontece com alguém devidamente preparado. Por exemplo, na adolescência, quantos pais dedicam tempo para conversar sobre questões vocacionais, sentimentais, sexuais, espiritu­ais, etc. que se encontram “à flor da pele”? Não são poucos os problemas decorrentes da ausência desta comunicação.
Há muitas e diversas necessidades que precisam ser abertas livremente para um tratamento de todos os membros da família que concentrarão esforços na busca de soluções.
COMUNICAÇÃO HONESTA
No texto lido, o Apóstolo menciona: “fale cada um a verdade com o seu próximo ” oferecen­do oportuna orientação quanto à comunicação sincera, honesta, autêntica. É lamentável constatar que muitos filhos aprendem a mentir com os pais. E em casa, onde todos se conhecem e até identificam o “ponto fraco” do outro, a honestidade precisa ser levada muito a sério. Há muitas crises conjugais (e familiares) que são geradas pela ausência de sinceridade entre os membros da família, onde se percebe literalmente que “a mentira tem pernas curtas”.
A família precisa ter um relacionamento transparente, onde todos se amam e praticam a verdade. E lógico que não se pode confundir franqueza com aspereza ou intolerância. Recomenda o Apóstolo: “a vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um” (Cl 4.6). Mas, ensina Jesus, seja o vosso falar SIM, SIM e NÃO, NÃO.
COMUNICAÇÃO RESPEITOSA
Em seu poder criativo, Deus imprimiu caracteres e impressões distintas em cada pessoa. Não existem duas pessoas iguais. Podem ser gêmeos, parecidos, semelhantes: não iguais. Isso signi­fica que cada um tem uma digital de personalidade que o distingue de todos os demais. E cada um precisa ser respeitado. Responsabilidades e compromissos domésticos exigem a participação de todos. Mas, os direitos pessoais de cada um também precisam ser preservados. Consideração e respeito são necessários à boa convivência. E recomendável, por exemplo, que os membros da família se respeitem quanto à privacidade de cada um, pois os pertences individuais compõem um pequeno mundo bastante particular de cada pessoa; também que todos considerem a idéia própria de cada um: “cada cabeça uma sentença”; todos tem o direito de emitir a sua opinião e defender a sua idéia.
Portanto, é preciso saber (e aprender) a respeitar as diferenças, evitando agressões verbais e imposições autoritárias que ferem a individualidade de cada um. Na escola do lar, uns aprendem com os outros e crescem juntos, em comunicação franca, aberta, mas respeitosa (Ef 4.29).
COMUNICAÇÃO MÚTUA
Em casa, cada um deve se interessar pelo problema do outro, dispondo-se a ouvir, a compar­tilhar, sabendo concordar e discordar, visando sempre o bem-estar de toda a família.
A realidade da comunicação doméstica se faz em ambiente de mútua confiança. Sem confi­ança o lar correrá sérios riscos. Por exemplo: filhos criados por pais que não confiam neles, crescerão inseguros; esposas que vivem desconfiadas, tornar-se-ão neuróticas; maridos ciumen­tos denunciam a sua insegurança, etc. Tudo isto tende a abalar a comunicação familiar, que pre­cisa acontecer com bastante confiança mútua.
Também no lar, todos devem se dispor a ouvir. Comunicar não é apenas falar, mas também, e, principalmente, ouvir. Muitas vezes o que ocorre é o monólogo – apenas um fala e todos se conten­tam em ouvir. Há muitos que “tem ouvidos, mas não ouvem”. E a Palavra de Deus apresenta vários textos que salientam a importância do silêncio para ouvir (Pv 10.19; 17.27,28; Tg 1.19).
Isto implica em ganhar o tempo uns dos outros, cultivando um diálogo construtivo com todas as pessoas da família. Mesmo as críticas (que sempre devem ser construtivas) implicam em uma análise com todos os envolvidos, de forma que cada um possa falar e ouvir.
Então, é preciso perguntar: “Quanto tempo estamos dedicando à convivência familiar?
 COMUNICAÇÃO AMOROSA
O amor é um dos principais ingredientes da comunicação. E preciso permear cada gesto, cada palavra, cada atitude, comunicando o verdadeiro amor.
Muitas expressões bíblicas advertem quanto ao amor em todos os nossos relacionamentos (I Co 13.4-7; IJo 3.18; 4.21). Também ensinou Salomão: “a resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” (Pv 15.1). “Não se ponha o sol sobre a vossa ira” – recomenda Paulo (Ef 4.26). Ao invés de se comunicar com dureza, rancor e ira, em todos os relacionamentos deve haver uma comunicação de amor, que é a característica dos discípulos de Jesus.
No entanto, o amor não pode ser teórico; atos concretos expressam o amor entre os familia­res: carinho, afeto, abraços e beijos; tempo, atenção, interesse, convivência, diálogo, doação, etc, são exemplos vivos que testificam a comunicação amorosa.
Certamente, tudo o que foi dito reveste-se de diretrizes cristãs e compõe a vida de amor e adora­ção. Em nossos relacionamentos podemos ou não estar cultuando o Senhor. E recomendável salientar a importância de se viver a vida de Cristo em nosso lar. Isto reforça a nossa comunicação familiar. A comunicação familiar pode, e deve ser, uma comunicação cristã.
FONTES DE PESQUISA
http://solascriptura-tt.org/VidaDosCrentes/Comunicacao/ComunicaoNoLar-Gardner.htm
https://pastorjosiasmoura.com/2010/06/10/estudo-biblico-do-culto-de-doutrina-tema-a-comunicacao-na-familia/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 03 - Os Dois Ícones da Igreja Primitiva

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta