Lição 08 - Restaurem a Mesa da Família

"Porque satisfaz a alma cansada, e toda alma entristecida saciei" 
Jeremias 31.25
Texto Bíblico Básico: Lucas 22.36-46
A MESA DE JANTAR E A VIDA MODERNA
    
        A vida moderna, os excessos de compromissos, a falta de tempo e também a negligência têm sido as grandes responsáveis pela perda da qualidade em nossa vida familiar.  Abandonamos hábitos simples, esquecemos valores fundamentais na vida familiar como, por exemplo, o sentar-se a mesa. Antigamente este móvel era indispensável, muito usado em todas as famílias. As mesas, que eram grandes e cabiam toda a família ao seu redor, hoje foram trocadas por outras peças, talvez mais “úteis”.
            Nosso desafio é resgatar a velha mesa em nossas casas. Se realmente queremos fortalecer nossas famílias e proteger nossos filhos, precisamos procurar onde os estamos perdendo.
            Nas linhas seguintes, pretendo demonstrar que uma família reunida, além de ter a benção de Deus, poderá gozar de momentos ricos, onde compartilharão, não somente do alimento, mas de boas conversas, comunhão e momentos inesquecíveis, que trarão crescimento e serão lembrados para sempre.
            Ainda que, sentar-se à mesa pareça algo simples, quase banal,  na realidade tem se tornado tarefa difícil e árdua.  As pessoas andam apressadas e assim, a família não se reúne mais em volta da mesa, cada um toma suas refeições em horários e locais diferentes. Isso sem falar nas refeições realizadas em frente a TV.
            Vale ressaltar que Deus, através de sua Palavra, no passado, já advertiu ao seu povo que, se quisessem prosperar e se tornarem fortes, deveriam importar-se em assentar-se à mesa. Também destaco que todas as vezes que negligenciamos algum princípio bíblico, normalmente, colhemos frutos amargos. Os conselhos de Deus não são para punir, mas nos ajudar e para gerar o nosso bem e de nossa família.
            À mesa usamos os cinco sentidos (tato, olfato, visão, audição e paladar), por isso estamos tão abertos; e por isso, é um momento tão importante. Pesquisas apontam para uma relação cruel: Na ordem inversa à queda na frequência do  uso da mesa de jantar,  é o aumento do índice da desintegração familiar. Como se não bastasse, junto ao aumento da desagregação da família, subiram o consumo de frituras, refrigerantes, salgadinhos e o pior: das drogas.
            É interessante observar que para transformar doze homens problemáticos em uma equipe vencedora, Jesus investiu seu tempo em treiná-los. E como ele fazia isto? Se relacionando. Inúmeras vezes vemos o mestre sentado à mesa com seus discípulos. Observe que, mesmo depois de sua morte e ressurreição, quando precisou fortalece-los, usou a mesma tática: novamente os chamou para um jantar na praia. Confira lá em João 21:1-14.
            Pessoas sensíveis, ao redor do mundo, têm percebido e se preocupado com os relacionamentos interpessoais que não vão bem. Todos entendem que alguma coisa precisa ser feito. A educação de nossas crianças tem sido motivo de preocupação. Diversos centros de estudos e universidades em muitos países vêm dedicando-se à pesquisas que, por sua vez, colhem resultados semelhantes quanto às consequências de uma família sentar-se, ou não, à mesa.
            Estudos na Escola de Pedagogia de Harvard, nos Estados Unidos, revelaram que quem compartilha regularmente as refeições com a família, além de comer melhor, tem maior bem-estar físico e emocional.
            No Centro Nacional de Dependência e Abuso de Drogas da universidade de Columbia (EUA), foi descoberto que quanto mais refeições junto aos pais, mais os filhos se dão bem na escola e atrasam a iniciação sexual; e menos bebem, fumam, usam drogas, ficam deprimidos, brigam ou desenvolvem distúrbios alimentares (como a anorexia).
            Um levantamento, realizado em 2007 com 20 mil alunos ingleses de 16 anos, demonstrou uma forte relação entre refeições regulares à noite com a família e o bom desempenho no GCSE – exames escolares feitos por todos os secundaristas da Grã-Bretanha. Ainda na Grâ-Bretanha, segundo os dados da pesquisa, que foram recentemente publicados pelo departamento de “Crianças, Escolas e Famílias” do governo britânico, constatou-se que os melhores resultados estavam entre os filhos de famílias que se reuniam para jantar.
            Uma pesquisa realizada pela Universidade Havard, dos Estados Unidos, revelou que a criança que se senta à mesa com os pais alimenta-se melhor em comparação aos coleguinhas que comem sozinhas. Ainda outra pesquisa realizada com 16 mil crianças, de 9 a 14 anos, as frutas e vegetais aparecem quase duas vezes mais no prato daquelas que fazem as refeições com a família ao redor da mesa.
            A socióloga alemã Ângela Keppler conduziu outra pesquisa, com 300 famílias alemãs, onde se demonstrou que famílias optam pelo velho hábito de conversar durante as refeições, ao invés de assistir televisão, obtêm maior harmonia e fluidez em suas relações. A socióloga chegou à conclusão que uma das melhores terapias familiares é a comunicação à mesa.
            Todas estas pesquisas apenas comprovam o que temos visto dia à dia na prática. Por isso justifica o tema deste estudo. O valor e os benefícios obtidos durante a hora das refeições em família não têm preço. Este é um momento santo, momento de ministração, momento de ensinar e aprender, de compartilhar e se comprometer. É aqui o local onde os valores familiares serão incutidos (Dt. 6.7). E daqui que sairão pessoas fortes e sadias para enfrentar o mundo. A mesa significa a didática divina que forma gente curada, cidadãos fortalecidos pelas experiências de vida compartilhada e da fé vivida.
            Mais importante do que aquilo que se tem sobre a mesa, é a conversa ao redor dela. Ainda que pareça difícil ou complicado, não é. Lembre-se que o cardápio é um detalhe, mas a presença dos pais (corpo e alma) fará a diferença, pois ela é o diferencial no desenvolvimento saudável dos filhos. 
            Creia que coisas novas começarão a acontecer a partir do momento que decidir fazer da hora das refeições uma prioridade ao invés de uma opção. Nossos filhos necessitam de nossa presença para lhes mostrarem o que devem e o que não devem fazer. A hora da refeição é a hora do “Você deve fazer isso…”, “Você deve se lembrar…”, “Você pode, você é capaz…”, “Eu te amo…”, etc…

ALGUMAS CONCLUSÕES :
             O RETRATO ATUAL DA MESA DE JANTAR:
  • Na Inglaterra, as lojas de móveis constatam um crescimento na venda de mesas de escritório em torno de 40% enquanto da mesa de jantar caiu 8%
  • Na Inglaterra 25% das famílias já não tem mesa de jantar.
  • No Brasil 40% das famílias não jantam juntas.
  • No Brasil 70% das famílias fazem refeição com a TV ligada.
            A PROTEÇÃO QUE SAI DA MESA DE JANTAR
  • Pesquisas realizadas pela Universidade de Colúmbia, EUA, apontaram que crianças de várias etnias que sentavam à mesa para jantar com seus pais tiveram poucos envolvimentos com drogas e bebidas, em comparação com crianças cujos pais não tinham esse hábito.
  • Na Universidade de Illions, também nos EUA, estudo apontou que crianças que jantavam ou tinham momentos à mesa com seus pais tinham um melhor vocabulário em relação às que não tinham esses costumes em família.
  • Maior satisfação conjugal
  • Maior senso de identidade dos adolescentes
  • Maior saúde das crianças
  • Melhor desempenho acadêmico
  • Maior fortalecimento das relações familiares
   BENEFICIOS DIRETO EM RELAÇÃO  AS CRIANÇAS
  • Na Universidade de Minnesota (EUA), segundo o Journal of Nutrition and Behavior, pesquisadores que estudaram a alimentação de 5 mil crianças e adolescentes concluíram que, quando as crianças comem acompanhadas dos pais, consomem mais frutas, verduras e alimentos mais ricos em vitaminas. Em outra parte, o estudo indicou que filhos que fazem pelo menos três vezes por semana refeições com os pais correm menos risco de desenvolver hábitos como fumar, consumir álcool ou drogas.
  • Promove hábitos alimentares saudáveis
  • Estas crianças demonstraram comer maior quantidade de frutas, vegetais, leguminosas e alimentos saudáveis.
  • Menor incidência de sintomas de depressão e pensamentos suicidas.
  • Ajudam a aprimorar o vocabulário de crianças.  Maior competência linguística.
  • Na mesa oferecemos nossos exemplos. Crianças que se alimentam sem os pais ficam sem referência
 BENEFÍCIOS DIRETO EM RELAÇÃO AOS JOVENS

  • Promove hábitos alimentares saudáveis, menos obesidade.
  • Menor risco do desenvolvimento do hábito de fumar, beber e usar maconha entre os jovens.
  • Aprendem sobre atitudes corretas nas conversas e conselhos.
BENEFÍCIOS DIRETO EM RELAÇÃO AOS PAIS
  • Cria uma ponte de comunicação com os filhos
  • Cria um momento de ouvir.
  • Demonstrar exemplos de educação, modos, etc… (comer com boca aberta)
  • Promove um ambiente de tranquilidade e acolhimento
CONSELHO AOS PAIS: 
  1. Cuidado com comentários tipo “não gosto de beterraba”. Lembre-se que aprenderão pelo exemplo.
  2. Não brigar, discutir ou fazer comentários impróprios que causam desconforto. A hora da refeição deve ser reservada unicamente ao prazer. Broncas devem ser guardadas para outras ocasiões.
SIGNIFICADOS DO COMER EM FAMÍLIA:
  • Bem-estar físico, emocional e espiritual.
  • Aprendizado. Uma criança na fase de inicial da vida, de cada duas mil palavras novas, em seu universo, mil delas serão aprendidas na mesa.
  • Momento de alegria
  • Momento de ministração (conte historias usando as verduras)
  • Oportunidade de elogio e incentivos (nada de broncas)
  • Momento de conquistar os corações.
SUGESTÕES PARA O INÍCIO:
  • Compre pratos coloridos
  • Toalha bonita
  • Não espere ter uma família perfeita, nem mesmo feliz, para sentar-se à mesa.
  • Não espere seus filhos decidirem, comece a conquista.
  • Lembre-se que antes das crianças mudarem, será preciso os pais mudarem.
  • Crie rotinas, as crianças se sentem seguras com elas.
A MESA DE JANTAR E SEUS SIGNIFICADOS.
  • Retrata uma família feliz, unida e abençoada.
  • Alegria
  • Riqueza e prosperidade
  • Vitalidade
  • ”Esses momentos de união são uma oportunidade rica de convívio e aprendizado. O encontro e a presença aumentam a afetividade entre pais, filhos e irmãos”, confirma o psicólogo Áderson Costa Júnior, do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB). ”Durante a refeição, quanto mais entendimento e atenção para ouvir, dialogar e demonstrar carinho, mais a criança será estimulada a estender essas atitudes para outras áreas da vida, como a escola e a relação com os amigos”, acredita a educadora Cris Poli, apresentadora do programa Supernanny Brasil, do SBT.
JANTAR EM FAMÍLIA E SEUS BENEFÍCIOS À SAÚDE. 
  • Em uma mesa as crianças se sentem mais cuidadas, protegidas e amadas, por conta da proximidade. Os resultados positivos, no entanto, dependem da postura dos pais. “Crianças aprendem por observação. Pais presentes, falantes e atenciosos são fontes de informação para os pequenos. Toda vivência que reforce esses vínculos e gere motivação aumenta a percepção das crianças de que elas têm apoio, em quem confiar. E a confiança implica em qualidade de vida e menos stress”, afirma o professor Áderson, da UnB.
Palavra final:
            Li uma frase (autor desconhecido), que dizia: “Muitos estão preocupados com o tipo de planeta que irão deixar aos seus filhos, mas poucos estão se preocupando com o tipo de filhos deixarão no planeta”.
FONTES DE PESQUISA
http://nucleodafe.com.br/noticias/a-importancia-das-refeicoes-na-vida-familiar/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 03 - Os Dois Ícones da Igreja Primitiva

Lição 12 - Ciúme, o Cabo da Tormenta