Lição 03 - A Justificação Unicamente Pela Fé

"Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá pela fé - Romanos 1.17

Texto Bíblico Básico: Habacuque 2.1-4; Romanos 5.1,2,9,18,19

Resumidamente, as proposições teológicas que serviram como pilares da Reforma Protestante são os chamados Cinco Solas - frases latinas que surgiram para enfatizar a diferença entre a teologia reformada protestante e a teologia católica romana. Sola, vem do latim e significa “somente” ou “apenas”, na língua portuguesa. E os cinco solas são: Sola Fide, Sola Scriptura, Solus Christus, Sola Gratia e Soli Deo Gloria. Esses são os pilares da Reforma Protestante.

Imagem relacionada
Sola Fide (somente a fé): este princípio afirma que o homem é justificado única e exclusivamente pela fé, sem o acréscimo das obras do mérito humano e, por meio dele, a tradição reformada é sustentada.

Sola Scriptura (somente a Escritura): A Escritura é a única regra de fé e prática da igreja e o protestantismo aceita doutrinas de sua inspiração, autoridade, inerrância, clareza, necessidade e suficiência. Somente as Escrituras são o fundamento da teologia reformada.

Solus Christus (somente Cristo): como forma de reação dos protestantes contra a igreja católica secularizada e contra os sacerdotes que afirmavam ter uma posição especial e serem mediadores da graça e do perdão por meio dos sacramentos que ministravam. A reforma defendeu que tal mediação entre o homem e Deus é feita somente por Cristo, único capaz de salvar a humanidade e o tema central da reforma protestante.

Sola Gratia (Somente a Graça): Além de a graça ser um dos atributos de Deus é, também, o próprio Cristo (em sua encarnação) e é o Espírito Santo quem aplica a graça ao coração do pecador. A graça comum é comunicada a todos os homens, indistintamente. Mas, graça especial é soteriológica (salvadora) e por meio dela que o homem é salvo, quando há a comunicação da salvação de Deus ao pecador. "Sola gratia" diz respeito a tudo que o homem possui (graça comum) e, em especial, à salvação que é dada pela graça somente. Graça especial somente, por meio da qual o homem é escolhido, regenerado, justificado, santificado, glorificado, recebe dons espirituais, talentos para o serviço cristão e as bênçãos de Deus.

Soli Deo Gloria (somente a Deus a glória): este pilar da teologia reformada afirma que o homem foi criado para a glória de Deus e que tudo que ele fizer deve destinar a glorificar a Deus.

Um Pano de Fundo das Trevas
Quando Martinho Lutero pregou suas Noventa e Cinco Teses na porta da Igreja do Castelo em Wittenberg, em 1517, demorou algum tempo para que as implicações da sua ação reverberassem ao longo da história. O fruto de seu trabalho emergiu em algumas confissões luteranas e reformadas, as quais afirmaram que os pecadores são declarados justos aos olhos de Deus, não com base em suas próprias boas obras, mas somente pela fé, somente em Cristo e pela graça de Deus somente - sola fide, solus Christus e sola gratia. A Igreja Católica Romana foi compelida a responder, e o fez no famoso Concílio de Trento, quando realizou uma série de pronunciamentos sobre a doutrina da justificação em sua sexta sessão, em 13 de janeiro de 1547.
Dentre os muitos pontos que Roma apresentou, vários deles reivindicações-chave, os principais foram: (1) que os pecadores são justificados pelo seu batismo, (2) que a justificação é pela fé em Cristo e pelas boas obras de uma pessoa, (3) que os pecadores não são justificados unicamente pela justiça imputada de Jesus Cristo, e (4) que uma pessoa pode perder sua posição de justificação. Todos esses pontos se fundem na seguinte declaração:
Se alguém disser que o pecador é justificado somente pela fé, ou seja, que não é necessária nenhuma outra forma de cooperação para que ele obtenha a graça da justificação e que, em nenhum sentido, é necessário que ele faça a preparação e seja eliminado por um movimento de sua própria vontade: seja anátema. (Canon IX)
A Igreja Católica Romana claramente condenou a sola fide - não confessou que os pecadores são justificados somente pela fé.
Uma Luz na Escuridão
Em contraste com esse pano de fundo, podemos apreciar como o Breve Catecismo define biblicamente a doutrina da justificação e explica o que é sola fide. Para Roma, os pecadores são justificados pela fé e obras. Sua doutrina da fé é introspectiva - uma pessoa deve olhar para dentro de suas próprias boas obras, a fim de ser justificado. O Breve Catecismo, por outro lado, argumenta que a fé é extrospectiva - os pecadores olham para fora de si, para a obra perfeita e completa de Cristo para a sua justificação. Mas o que, especificamente, os pecadores recebem somente pela fé?
O primeiro benefício da justificação é que Deus perdoa todos os nossos pecados passados, presentes e futuros. Os teólogos mencionam a citação que Paulo fez do Salmo 32: “Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto” (Romanos 4:7,  Salmo 32:1). O segundo benefício da justificação é a aceitação do pecador como justo aos olhos de Deus "apenas pela justiça de Cristo imputada a nós". Ter o status de “justo” conferido a si mesmo é bastante surpreendente. Quando um juiz declara uma pessoa inocente, isso simplesmente significa que ele não é culpado de ter quebrado a lei. Mas, se um juiz declara uma pessoa justa, significa que não somente ela é inocente de violar a lei, mas também que ela cumpriu a exigência da lei. Tomemos como exemplo o roubo. Para uma pessoa ser justa nesse caso, ela deve abster-se de roubar. Mas, além disso, ela também deve proteger os bens dos outros. Ela deve atender as demandas negativas e positivas da lei contra o roubo. Por justificação, um pecador é aceito como justo, não por uma parte da lei, mas por toda a lei - cada mandamento, cada jota e til. Ele é contado como aquele que guardou todas as dimensões de toda a lei. De onde surge essa justiça?
A justiça, ou obediência, pertence a Cristo. Os teólogos citam duas passagens-chave das Escrituras para fundamentar a imputação, ou confirmação, da justiça de Cristo para o crente. Primeiro, eles citam 2 Coríntios 5:21:“Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus”. De acordo com as Escrituras, Cristo era o Cordeiro imaculado, perfeito e sem pecado (1 Pedro 1:19; Hebreus 4:15). Ainda, Cristo carregou o pecado do seu povo - foi imputado a ele e ele o carregou. A maneira pela qual Cristo foi imputado com o nosso pecado para que ele pudesse suportar a maldição da lei (imputação) é a mesma maneira pela qual recebemos a perfeita obediência de Cristo - seu cumprimento de todas as exigências da lei. Os teólogos citam Romanos 5:19 para este efeito: “Porque, como pela desobediência de um só homem muitos foram constituídos pecadores, assim, pela obediência de um só homem muitos serão constituídos justos” (versão do autor). A desobediência de Adão foi imputada a todos os que estão unidos a ele, e a obediência de Cristo, o último Adão, é imputada a todos aqueles unidos a Jesus (1 Coríntios. 15:45).
Nunca os dois devem se encontrar
Se já não estiver aparente, a visão dos teólogos de Westminster sobre a justificação é diametralmente oposta à visão da Igreja Católica Romana. Para Roma, a justificação do pecador é uma tentativa de alquimia doutrinária, tentando misturar as obras de Cristo com as do crente, a fim de produzir o ouro da justificação. A teologia reformada, por outro lado, no ensino das Escrituras, repousa a justificação do pecador somente sobre a obra de Cristo. O único meio pelo qual a perfeita obra de Cristo é recebida é pela fé somente - sola fide. Nós não temos outra embaixada de paz para encontrar abrigo da justa ira de Deus, a não ser na perfeita justiça e sofrimento de Cristo, e não há outra ponte entre o homem e Cristo, somente a fé.
SOLA FIDE


A justificação é somente pela graça, somente por intermédio da fé, somente por causa de Cristo. Este é o artigo pelo qual a igreja se sustenta ou cai. É um artigo muitas vezes ignorado, distorcido, ou por vezes até negado por líderes, estudiosos e pastores que professam ser evangélicos. Embora a natureza humana decaída sempre tenha recuado de professar sua necessidade da justiça imputada de Cristo, a modernidade alimenta as chamas desse descontentamento com o Evangelho bíblico. Já permitimos que esse descontentamento dite a natureza de nosso ministério e o conteúdo de nossa pregação.Muitas pessoas ligadas ao movimento do crescimento da igreja acreditam que um entendimento sociológico daqueles que vêm assistir aos cultos é tão importante para o êxito do evangelho como o é a verdade bíblica proclamada. Como resultado, as convicções teológicas freqüentemente desaparecem, divorciadas do trabalho do ministério. A orientação publicitária de marketing em muitas igrejas leva isso mais adiante, apegando a distinção entre a Palavra bíblica e o mundo, roubando da cruz de Cristo a sua ofensa e reduzindo a fé cristã aos princípios e métodos que oferecem sucesso às empresas seculares. Embora possam crer na teologia da cruz, esses movimentos a verdade estão esvaziando-a de seu conteúdo. Não existe evangelho a não ser o da substituição de Cristo em nosso lugar, pela qual Deus lhe imputou o nosso pecado e nos imputou a sua justiça. Por ele Ter levado sobre si a punição de nossa culpa, nós agora andamos na sua graça como aqueles que são para sempre perdoados, aceitos e adotados como filhos de Deus. Não há base para nossa aceitação diante de Deus a não ser na obra salvífica de Cristo; a base não é nosso patriotismo, devoção à igreja, ou probidade moral. O evangelho declara o que Deus fez por nós em Cristo. Não é sobre o que nós podemos fazer para alcançar Deus.

Reafirmamos que a justificação é somente pela graça somente por intermédio da fé somente por causa de Cristo. Na justificação a retidão de Cristo nos é imputada como o único meio possível de satisfazer a perfeita justiça de Deus. Negamos que a justificação se baseie em qualquer mérito que em nós possa ser achado, ou com base numa infusão da justiça de Cristo em nós; ou que uma instituição que reivindique ser igreja mas negue ou condene sola fide possa ser reconhecida como igreja legítima. 

EM QUE IMPLICA A FÉ?

Em meio a importantes lições espirituais, que o Espirito Santo inspirava o escritor aos Hebreus a escrever, de repente, o próprio Deus toma a boca do seu servo para nos dizer como ele deseja que seus justos vivam. No verso 37 quem fala é o autor sagrado, no 39 também, mas no 38 o próprio Deus declara: “o justo viverá da fé; E, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele”.
A fé é o elemento indispensável na vida do servo de Deus, dela depende a própria salvação: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé...” (Efésios 2:8). A fé é a mola propulsora que nos impede de recuar, de voltar as velhas praticas, de nos afastar da vontade do nosso Deus, e assim a alma dele continua tendo prazer em nós. É por isto que também está escrito que “sem fé é impossível agradar-lhe”(Hebreus 11:6)
Mas o que é realmente a fé? A bíblia a define da seguinte maneira: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.” (Hebreus 11:1). Ou seja, ela é a certeza da existência de um mundo espiritual e da existência de um Deus que tudo governa, bem como, a certeza das coisas que ele prometeu àqueles que nele creem.
Diferentemente do que afirma os ateus e agnósticos a fé não é irracional e muito menos isenta de evidências, pelo contrario, ela é sem dúvida a melhor explicação para tudo quanto existe e para a existência da raça humana: “Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente.” (Hebreus 11:3)
Toda criação de Deus se constitui em prova irrefutável de sua existência, bem como atua como uma pregação muda que, constantemente, anuncia a sua glória e o seu poder:
“Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.
Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite.
Não há linguagem nem fala onde não se ouça a sua voz.”(Salmos 19:1-3)
A fé é o único elemento capaz de levar o homem a renunciar os prazeres passageiros da carne, a fim de praticar a vontade de Deus pelo desejo de alcançar dele recompensas maiores:
“Pela fé Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó,
Escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus, do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado;
Tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa.” (Hebreus 11:24-26)
Mas como é possível obter fé?
A maneira pela qual podemos adquirir a verdadeira fé é a prova final de que esta jamais poderá ser irracional. A verdadeira fé se adquire através do conhecimento, do conhecimento da santa palavra de Deus: “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.” (Romanos 10:17)
Quando falta a verdadeira fé o homem regride para a perdição, os que não creem serão condenados, mas os que creem conservam as suas almas. O escritor sagrado diz que nós pertencemos a estes e não aqueles.

Vivendo através da fé, seguindo em frente e jamais recuando para que o meu Deus encontre prazer em mim e eu possa estar sempre entre os que conservam suas almas nele.


ADVERTÊNCIA À IGREJA REFORMADA: A SECULZRIZAÇÃO DA FÉ

A palavra “secularização” vem do latim saeculus (século), e contrasta o agora com a era vindoura. A secularização, portanto, é a filosofia de vida que prioriza o agora em detrimento do que é eterno. A secularização é o movimento crescente de anulação do que é sagrado, destinado à glória de Deus, substituindo pelo secular o que é mais interessante agora.
A secularização é um processo de mundanização, transformando aquilo que é urgente, a busca a Deus, em coisa sem importância. Importante agora é curtir a vida e se divertir. A secularização nos faz contentar com as alternativas da era presente, sem nos importar com as promessas de satisfação e gozo futuros. A secularização tem atingido o cristianismo atual, conforme a descrição que se segue.

1. A Bíblia
A Bíblia, mediante a secularização, se torna um livro irrelevante, não lido, não praticado e alvo de descrédito. A secularização faz com que a Bíblia receba a mesma classificação de um outro livro qualquer, limitando a noção de sua inspiração divina, ou até mesmo suprimindo-a. Na secularização, a Bíblia recebe críticas desconstrucionistas, as quais buscam minimizar a força dos relatos das obras de Deus, pondo os milagres em descrédito. A era presente ganha força como referencial para interpretação dos relatos bíblicos. Por exemplo, se hoje não vemos pessoas andando por sobre as águas, então a narrativa de Jesus andando por sobre as águas é apenas uma estória mitológica, uma lenda imaginária. No processo de secularização, as pessoas preferem dar crédito a pressuposições naturalistas (evolucionismo) a crer na veracidade dos relatos bíblicos sobre a criação do mundo.

2. Ética
A ética secularista também não refletirá o padrão revelado na Escritura Sagrada. Se a Bíblia não é referencial seguro dentro do sistema secularizado, também os mandamentos bíblicos ficam completamente sem relevância. Mandamentos bíblicos que claramente tratam do mundanismo, da busca pela satisfação carnal, através de festas mundanas, do sexo livre, do consumismo, da literatura pornográfica, de programas de televisão e de filmes que não trazem edificação, através de sites da Internet impróprios, se tornam sem importância e desprezados. A ética secularista ensina a fazer o que dá vontade. Se você deseja, então é legítimo. A Bíblia não ensina assim. A Bíblia diz que “todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convém” (1Co 6.12). Também diz que a amizade do mundo é inimizade contra Deus (Tg 4.4), e que quem ama ao mundo não provou do amor do Pai Celeste (1Jo 2.15). Jesus disse: “aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele” (Jo 14.21).

3. Comportamento
Se a secularização se recusa a ouvir os mandamentos de Deus e os julga irrelevantes, logo, o comportamento das pessoas secularizadas refletirá um padrão que não provém da Bíblia. Um indivíduo secularizado não se importa de falar palavrões e de contar piadas indecentes. Uma pessoa secularizada não se importa em usar roupas com decotes escandalosos, exibindo partes do corpo que incitam a sensualidade. Também a secularização semeia a descrença, fazendo com que as pessoas vivam como se Deus nem existisse, como se ele não estivesse ao nosso lado contemplando os maus e os bons. Por esta razão, o juízo de Deus é completamente ignorado e o temor de Deus inexistente. O secularizado dá golpes no mercado, faz negócios ilícitos, sonega impostos, deixa de devolver o dízimo porque o empregou em coisas do aqui e do agora, para satisfazer o desejo de ter. O homem secularizado olha de modo inconveniente para a mulher do seu próximo, a mulher secularizada se deixa levar pelo devaneio de um coração carregado de paixões mundanas. A secularização faz com que uma pessoa troque sem vexames o santo culto a Deus pelo estádio de futebol ou outro entretenimento qualquer, em clara violação do quarto mandamento, de guardar o dia do Senhor. Não somente isso, mas até mesmo trabalhos semanais da igreja deixam de ser motivo do interesse do secularista em troca de outros cuja relevância é duvidosa e até mesmo reprovável. Em resumo, trocar um trabalho da igreja por momentos de diversão sejam lá quais forem, é fazer uma opção clara por coisas do aqui e do agora em detrimento daquelas que são relevantes aos olhos de Deus.

4. Adoração
A adoração no ambiente secularizado se torna pretexto para entretenimento e promoção pessoal. A secularização admite coisas no culto que a Bíblia não recomenda e muitas vezes até condena claramente. Um culto secularizado admite a dança sensual, a performance artística, as palmas para Jesus, a falta de ordem e decência, a irreverência, as mensagens que não brotam de interpretação fiel das Escrituras, o som ensurdecedor, músicas com letras em desacordo com o ensino da Palavra de Deus, o ecumenismo e o sensacionalismo mediante promoção de fenômenos espetaculares.

 5. Evangelização
A secularização elimina por completo qualquer envolvimento com a evangelização, visto que as pessoas secularizadas só pensam no agora e não em ser instrumentos de Deus para a salvação dos perdidos. A secularização faz com que as pessoas não tenham tempo para evangelização. Elas só pensam nelas. Não se preocupam em compartilhar a mensagem do evangelho, porque, afinal, “para quê falar de vida eterna se o que me importa é o agora?” Um dia no shopping se torna muito mais atraente do que uma tarde na rua evangelizando as pessoas ou distribuindo folhetos. As programações de socialização acabam ganhando preferência em relação a eventos evangelísticos. Os secularistas nunca contribuem com missões, mas sempre investem muito dinheiro em coisas supérfluas e sem urgência (carro, casa, jóias, roupas, etc.). Conseqüentemente, as igrejas secularizadas mínguam a cada ano e acabam fechando as portas, se não passarem o resto da história engatinhando espiritualmente.

 6. Comunhão
A secularização, por fim, sepulta a comunhão da igreja no cemitério da indiferença e da insensibilidade. As pessoas secularizadas não ligam mais umas para as outras. Aliás, demonstram alguma preocupação na hora de falar mal. Então elas não se preocupam umas com as outras no bom sentido da expressão, mas se ocupam em maldizer e a tecer comentários maldosos. A comunhão morre dentro da secularização porque as pessoas perdem a visão do significado da igreja como corpo de Cristo. Se esquecem que possuem a vida eterna em comum, como o sangue que irriga todo o corpo. O sacrifício de Jesus une as partes individuais tornando-as uma só alma, indivisível. Mas o secularista insiste em semear divisão e facção dentro da igreja, porque não se lembra mais que a herança celestial e a eternidade serão dados ao povo de Deus, que será um só rebanho de um só pastor.

FONTES DE PESQUISA

http://www.monergismo.com/textos/cinco_solas/cinco_solas_reforma_erosao.htm

http://www.infoescola.com/cristianismo/cinco-solas/
http://www.ministeriofiel.com.br/artigos/detalhes/606/Sola_Fide
http://bibliacomisso.blogspot.com.br/2010/08/os-perigos-da-secularizacao-no.html
http://sidonemeditandonapalavra.blogspot.com.br/2012/01/o-justo-vivera-da-fe.html

Comentários

As Mais Lidas

Lição 02 - Aliança Edênica e Aliança Adâmica

Lição 06 - A Expiação Vicária

Lição 08 - Culpa, a Prisão da Mente